Enviar uma pergunta? CLICK AQUI
Seg - Sexta: 7:30 - 17:00
Sáb-Dom Fechado
3262 7482 - 3262 7483
16 99781 3817
16 99742 1727
Rua Barão do Rio Branco, 347 - Centro
Itápolis/SP

G1 GLOBO (Tudo Diário)

Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.

  1. Cidades do sul do estado voltaram a marcar temperaturas negativas na manhã desta quarta-feira (28). Frio intenso chega ao Brasil nesta quarta-feira (28) Uma massa de ar polar voltou a derrubar as temperaturas no Paraná nesta quarta-feira (28). Os termômetros registraram temperaturas negativas em várias cidades do estado, de acordo com o Simepar. General Carneiro, no Sul, registrou -3ºC. Em Curitiba, os termômetros marcavam 3,5ºC, por volta das 6h. Agricultores antecipam colheitas de hortaliças e cobrem produção para tentar reduzir prejuízos com a geada Segundo a Somar Meteorologia, as temperaturas podem cair ainda mais na quinta-feira (29), com possibilidade de neve ou chuva congelada na região Sul do Paraná. Confira a previsão do tempo Neve, chuva congelante, chuva congelada e geada: entenda a diferença Para que neve, é preciso que a temperatura esteja abaixo de 0ºC, ar fique muito frio na atmosfera e o clima esteja úmido. Segundo a previsão da Somar, apesar da possibilidade de neve, a maior probabilidade é que o clima se mantenha seco na maior parte do estado. Em Curitiba, de acordo com a Somar, a previsão é que a na quinta-feira (29) a mínima na cidade chegue a -2ºC, a menor temperatura na cidade desde 2013. Geada em Guarapuava durante a madrugada Jorge Teles/Você na RPC VÍDEO: Mais assistidos do G1 PR Veja mais notícias da região em G1 Paraná.
  2. Alta polar chega no Sul do país trazendo temperaturas negativas A onda de frio que pode derrubar a sensação térmica para -25°C na Região Sul chegou ao Brasil nesta quarta-feira (28), com grande possibilidade de haver neve (veja no vídeo acima).

  3. Inmet prevê baixas temperaturas até domingo (1º). Shoppings, supermercados, fábrica de café e empresa de saneamento estão entre locais que recolhem doações; veja como ajudar. O gari Raimundo Antônio Barbosa Soares, de 44 anos, doou um agasalho Sustentare / reprodução As temperaturas no Distrito Federal devem ficar abaixo de 10ºC entre esta quarta-feira (28) e domingo (1º), segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Para correr contra o tempo, e ajudar as pessoas de baixa renda e moradores de rua, há várias iniciativas de arrecadação de agasalhos em Brasília. LEIA TAMBÉM SERRA GAÚCHA: Frio intenso chega ao Brasil na quarta pode fazer sensação térmica chegar a -25°C SÃO PAULO: Frente fria histórica pode trazer novos recordes de temperatura à cidade de SP SANTA CATARINA: Temperatura negativa fez lago congelar CANADÁ: Onda de calor cozinhou moluscos vivos em praia Alguns shoppings do DF, supermercados e estabelecimentos comerciais estão recolhendo cobertores, casacos, luvas, toucas, mantas, entre outros itens para doar para população em situação de vulnerabilidade. A empresa Sustentare Saneamento, responsável pela limpeza pública de Taguatinga, Ceilândia, Brazlândia e Samambaia, por exemplo, está recebendo doações de cestas básicas e agasalhos por tempo indeterminado em cinco unidades (veja endereços abaixo). “Nada de melhor na vida do que você poder ajudar alguém, principalmente que precisa. Não é o dinheiro que traz felicidade. É o que você pode fazer por alguém que traz felicidade”, disse o gari Raimundo Antônio Barbosa Soares, de 44 anos, que doou uma blusa de frio nesta terça-feira (27). Taguatinga Shopping Doação de agasalhos no Taguatinga Shopping vai até 31 de julho Taguatinga Shopping / Divulgação No Taguatinga Shopping, as pessoas também podem doar agasalhos. A caixa de arrecadação fica no balcão de Informações, no Piso 1, até o dia 31 de julho. As doações serão entregues aos projetos cadastrados na plataforma TGS Solidário, que atendem famílias em situação de vulnerabilidade social. "Um cobertor representa não apenas um item, mas a esperança e a solidariedade tão necessárias no momento vivido”, diz Maíra Garcia, gerente de marketing do Shopping. Supermercados Sete supermercados do DF recebem doação de agasalhos Café Export / Divulgação Outra campanha também conta, a partir desta quarta-feira (28), com 20 pontos de coleta de agasalhos em supermercados de Brasília. As doações serão entregues para abrigos, famílias de baixa renda e projetos sociais. "Estamos passando por um momento social muito difícil e a pandemia nos mostrou que só vamos conseguir superar tudo isso com um ajudando ao outro. Então essa é a nossa ideia inspirar empresas e pessoas a ajudar também", diz Fábio Cunha, diretor comercial do Café Export, empresa que promove a ação nos supermercados a partir de um projeto social chamado de "Café Quentinho". Onde doar agasalhos no DF? Taguatinga Shopping Data: até 31 de julho O que doar: roupas, agasalhos, mantas, cobertores, entre outros itens Onde doar: Balcão de Informações, no Piso 1 Sistentare Usina de Tratamento de Lixo PSul do SLU: QNP 28 Área Especial Samambaia: QR 302, Área Especial – ao lado do Castelo Forte Brazlandia: Área Especial n° 02 – Norte Ceilândia: Área Especial n. 24, Módulos G e H – próximo ao SESC Taguatinga: QNG 47 Área Especial n. 9 – Taguatinga Norte O que doar: agasalhos, cobertores e alimentos Supermercados Quando: até 10 de agosto O que doar: agasalhos, cobertores e alimentos Supermercado Veneza  EQNP 12/16, Bl. B, Lj. 1/6 – Ceilândia Norte  EQNO 1/3, Bl. A, Lj. 1/6 – Setor O  EQNO 11/13, Bl. D, Lj. 2 – Setor 0  EQNL 5/7, Bl. C, Lj. 1 – Taguatinga Norte  QE. 15, Lt. A – Guará  QI. 7, Bl. A, Lt. 10/36 – Guará SHCES, Q. 1101, Lt. 8 – Cruzeiro  SHCS, Bl. B, Lj. 80 – Cruzeiro Novo  Supermercado Supergiro  EQNP 13/17. AE. F, Lt; 1, Lj. 2 – Ceilândia Norte  Vitália Empório  SOF Sul, Qr. 11, Cj. A – Guará I  QI 5, Bl. A – Lago Sul  Supermercado Ponto Alto  QD. 28, Lt. 19/20, Setor Oeste – Gama  CL 203, Lt. B 10 – Santa Maria  CL 207, Lt. D-3, Av. Alagados – Santa Maria  Supermercado Então  QR. 5, Cj. A, Lt. 28, Setor Sul – Gama  CL 217 – Santa Maria  CL 403, Cj. B – Santa Maria  Super Santa  EQ 417/517 – Santa Maria  Santos Dumont Supermercado  QD, QC. 5, Lt. 15/20, Santos Dumont – Santa Maria Fábrica do Café Export AC 105, Cj. C, Lt. 7/8 – Santa Maria Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

  4. Segundo a MCTrans, interdição ocorrerá entre as ruas Coronel Joaquim Costa e Rua São Francisco, das 8h às 18h, de quarta (28) a sexta (30). Interdição da Rua Dom Pedro II, no Centro MCTrans Um trecho da rua Dom Pedro II, no Centro de Montes Claros (MG), será totalmente interditado da quarta-feira (28) até a sexta (30). Segundo a Empresa Municipal de Planejamento, Gestão e Educação em Trânsito e Transportes de Montes Claros (MCTrans), a interdição ocorrerá entre as ruas Coronel Joaquim Costa e Rua São Francisco, das 8h às 18h. A MCTrans informou ainda que o fechamento da via será realizado para execução de obra de canalização de fibra óptica. Agentes de trânsito estarão no local para orientar os condutores. Para informações e esclarecimentos, os contatos da Diretoria de Trânsito e Sistema Viário são os telefones (38) 3224 6924 ou (38) 3224 6926 ou e-mail: transitomctrans@gmail.com Vídeos do Norte, Centro e Noroeste de MG Veja mais notícias da região em G1 Grande Minas.

  5. Desde 2018, STF reconhece que pessoas trans podem alterar registro civil sem cirurgia ou processo judicial. Atendimento online será nesta quarta-feira (28), das 9h às 18h; veja detalhes. Bandeira LGBTQIA+ é estendida na Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília TV Globo/Reprodução A Defensoria Pública do Distrito Federal realiza, nesta quarta-feira (28), um mutirão virtual para a mudança de nome e gênero, de pessoas trans, nos registros civis. O trabalho vai das 8h às 18h, utilizando o número de WhatsApp (61) 98244-2516. Membros da comunidade LGBTQIA+ explicam o significado de cada letra e falam sobre descobertas e desafios Desde 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhece que a população trans pode alterar o nome e o gênero no registro civil sem cirurgia ou processo judicial. À época, a ministra Cármen Lúcia, que presidia a Corte, disse que "não se respeita a honra de alguém se não se respeita a imagem que [essa pessoa] tem". O mutirão pretende atender travestis, transexuais, pessoas não-binárias e todo indivíduo que não se identifique com seu gênero biológico. Segundo a Defensoria Pública, "a retificação do nome e do gênero no registro civil compreende que a identidade psicossocial prevalece em relação à identidade biológica". LEIA TAMBÉM Concursos: Travestis e transgêneros podem usar nome social em concursos no DF Carteira de identidade: Travestis e transexuais podem usar nome social no RG; saiba como funciona Batalha social: Justiça do DF impede família de enterrar jovem trans com nome escolhido por ela Como fazer a mudança de nome? Modelo de carteira de identidade com nome social, utilizado no DF Polícia Civil do DF/Divulgação Qualquer pessoa pode requerer a alteração do nome e do gênero nos registros de nascimento e casamento nos cartórios. Para isso, "o solicitante deve ter no mínimo 18 anos completos e ser capaz de praticar os atos da vida civil", de acordo com a legislação em vigor. "A alteração também pode abranger a inclusão ou a exclusão de agnomes indicativos de gênero ou de descendência (filho, neto, júnior, etc.), não compreendendo, no entanto, a alteração dos nomes de família", aponta a Defensoria Pública do DF. O requerimento é pago, no entanto, as pessoas assistidas pela Defensoria Pública podem pedir a isenção da taxa. Para maiores informações e para obter o requerimento de isenção, interessados devem procurar o Creas da Diversidade por meio do telefone (61) 3224-4898. Documentos exigidos para mudança de nome Comprovante de endereço Certidões negativas criminais Certidões cíveis estaduais e federais do local de residência dos últimos 5 anos Certidão de tabelionatos de protestos do local de residência dos últimos 5 anos Certidões da justiça eleitoral, justiça do trabalho e da justiça militar (se o caso) Documentos facultativos para mudança de nome Laudo médico que ateste a transexualidade/travestilidade Parecer psicológico que ateste a transexualidade/travestilidade Laudo médico que ateste a realização de cirurgia de redesignação de sexo Mais que uma letra: entenda o que significa a sigla LGBTQIA+ Leia outras notícias da região no G1 DF.

  6. Período para a realização dessa confirmação acontece no período de 3 a 6 de agosto, das 9h às 11h30 e das 14h às 17h. Seduc divulga lista de estudantes aptos à matrícula em Curso de Língua Inglesa do IEMA Idiomas Prefeitura de Sete Lagoas/Divulgação A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) publicou nessa terça-feira (27), o Resultado das Novas Vagas/Teste de Nivelamento, por módulo/nível, da inscrição de estudantes aptos à matrícula nos Cursos de Língua Inglesa da Unidade Vocacional do IEMA Idiomas. A Secretaria informa que no período de 30 de julho a 1º de agosto de 2021, os candidatos às novas vagas nos níveis Básico II, Básico III, Básico IV, Intermediário I, Intermediário II ou Avançado I e II deverão acessar, novamente, o site de inscrição, utilizando CPF e senha cadastrados, para realizar a matrícula (online), com indicação de preferência de turno e dia de estudos. A Seduc destaca ainda que, para a efetivação da matrícula, o estudante deve comparecer, presencialmente, à Unidade Vocacional do IEMA Idiomas, localizada na Rua Portugal, nº 199 – Praia Grande, em São Luís, para realizar a confirmação da matrícula. O período para a realização dessa confirmação acontece no período de 3 a 6 de agosto, das 9h às 11h30 e das 14h às 17h. A lista de estudantes aptos à matrícula, bem como a lista dos documentos necessários para matrícula, está disponível no site da Secretaria.

  7. Temperaturas devem voltar a cair nesta quarta (28). Geada das semanas anteriores já queimou lavouras e deu prejuízos milionários a produtores de café e cana, entre outras culturas, no Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Frio intenso estraga plantação neste terça-feira no bairro Piraporinha em Piedade (SP) na semana passada Arquivo Pessoal O frio intenso previsto para esta quarta-feira (28) e que deve durar até domingo (1°) desafia agricultores no Sul, no Sudeste e até no Centro-Oeste do país a tomar medidas para reduzir um novo prejuízo. Geadas que aconteceram em semanas anteriores resultaram em perdas milionárias com lavouras inteiras "queimadas" pelo gelo, folhas congeladas - que, depois, ficam imprestáveis para consumo - e até o comprometimento de plantas jovens. Algodão, milho, cana-de-açúcar, café, hortaliças diversas - principalmente as folhosas, foram vistas nos últimos dias como se tivessem sido esturricadas pelo sol ou com manchas escurecidas (veja mais imagens no fim da reportagem). Ao menos duas cidades, Patrocínio (MG) e Santo Antônio da Alegria (SP) declararam calamidade pública por conta dos efeitos do frio nas lavouras. Para evitar mais problemas, na véspera da nova frente fria produtores de café do Paraná decidiram enterrar os pés mais novos. A colheita de hortaliças foi antecipada, para serem conservadas em câmara fria. E as plantas mais novas foram cobertas com lona, para evitar que fiquem molhadas e, assim, congelem mais rápido. Produtor enterra mudas de café para protegê-las do frio no Paraná RPC Em Minas Gerais, um agricultor de Itajubá conseguiu ser o único a não perder as bananas com a geada na semana passada porque ensacou os cachos. "Isso protege a banana de várias formas (...) A planta acaba sendo afetada pela queimada das flores, mas a produção não é prejudicada", disse o secretário de Agricultura da cidade, Bruno Almeida, à EPTV. Por que a geada prejudica a planta? Existem 2 tipos de geadas, explica o coordenador de produção agrícola da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Maciel Silva. Geada branca: camada de gelo formada a partir da intensa redução de temperatura, quando a umidade do ar está elevada. Geada negra: leva este nome por deixar uma camada escura, devido à queima da planta. Ocorre quando a umidade do ar está muito baixa. Em ambos os processos, a planta pode morrer de dentro para fora, diz Silva. Isso porque ela é composta principalmente por água e, quando este elemento está em estado sólido, acontece uma expansão do volume, o que, por sua vez, quebra a sua parede celular. É o mesmo caso de quando se esquece uma garrafa cheia de água no congelador: ela estufa e pode estourar. No caso da planta, o tecido dela, seja a folha ou a fruta, por exemplo, vai morrer. Ainda que o cultivo não seja totalmente perdido por causa da frente fria, o dano ocorrido diretamente na folha reduz o seu potencial de produção. A razão disto é que o gelo diminui a capacidade de fotossíntese da planta, o que atrapalha transformar a luz solar em energia, afetando diretamente a quantidade de frutos a serem produzidos, diz Silva do CNA. Plantação de chuchu perdida em sítio de Marsilac, na Zona Sul de São Paulo, no início de julho Paula Paiva Paulo/G1 Além de comprometer folhas e frutos, a geada pode afetar até plantas que estão ainda em crescimento e causar problemas no longo prazo. A banana, por exemplo, "é uma planta que leva muito tempo para se formar e desenvolver, na média de pelo menos 14 meses, para a pessoa ter uma colheita mensal, (o produtor) precisa ter bananas de vários estágios, que acabaram de nascer, outras com cinco, seis, sete meses, para ter colheita constante, e a geada queimou tudo", descreveu o secretário de Itajubá (MG), Bruno Almeida. O frio que atingiu a região do Sul de Minas na semana passada prejudicou 70% das propriedades que produzem a fruta em Itajubá. "Agora todos os sistemas voltaram para quase negativo, vai ter que cortar todas essas bananas, voltar elas pro chão, para que elas possam soltar broto novo e voltar a produzir em pelo menos 14 meses", explicou. Geada pode ter comprometido 70% das plantações de banana em Itajubá Geada não é novidade Maciel Silva, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), diz que a ocorrência de geadas não é novidade no Brasil. Ela afeta, principalmente, as regiões Sul e partes do Sudeste, como o Sul de Minas Gerais e São Paulo. VÍDEO: Geada muda paisagem de Rodovia dos Imigrantes, em São Bernardo do Campo Com a evolução da agricultura e dos sistemas meteorológicos, hoje em dia existem indicações sobre o que plantar e onde, a partir do “zoneamento agrícola de risco climático” do local, que mensura a probabilidade destes eventos acontecerem na região. De acordo com Silva, geadas como as observadas atualmente não acontecem todos os anos. Quando elas ocorrem, pegam o produtor de surpresa. A razão é por elas serem mais intensas do que o esperado e por, em muitos casos, não serem previstas na época do plantio. Hortaliças mais caras Com as geadas que aconteceram até agora, é possível observar um aumento dos preços das hortaliças. É o caso da alface, que já está 10% mais cara do que na semana anterior ao fenômeno, relata Silva. Geada queima planta e deixa manchas escuras TV Diário Para outros produtos, o prejuízo pode chegar ao consumidor mais para frente, como o café, que já tem 70% da safra atual colhida, portanto, os frutos perdidos serão sentidos apenas no ano que vem. Silva conta que, devido à bienalidade do grão, 2021 é um ano de déficit de produção e a recuperação era esperada para 2022. Com as perdas, pode ser que essa expectativa não seja atendida. Mas, segundo o coordenador, apenas em maio do ano que vem isso se tornará uma certeza. Geadas no Sul de MG podem elevar preços do café na próxima safra Reprodução/EPTV Existe prevenção? Depois que a geada passou não tem muito o que fazer, mas se a previsão do tempo mostrar que ela ainda vai acontecer, existem alguns métodos que podem ajudar. Para o caso da geada branca, quando a umidade do ar está elevada, o coordenador de produção agrícola da CNA, Maciel Silva, diz que irrigar pode ser uma solução. A lógica dessa medida é que, no caso deste tipo de congelamento, o solo é aquecido durante o dia e retém calor; durante a noite, este calor começa a ser sequestrado pela atmosfera. Quando o teor de umidade do solo está alto, a água, por ter um potencial de reter muito mais calor, não permite que a plantação seja resfriada. É por este mesmo motivo que, ao colocarmos o pé na piscina em um dia frio, a água pode parecer um pouco mais quentinha. O produtor rural, Derli Lissarassa, que possui uma propriedade em Dourados, na região sul de Mato Grosso do Sul, tentou a técnica em sua lavoura no fim de junho, mas não foi o suficiente para impedir o congelamento. "Comecei durante a noite, só que, quando foi 3 horas da manhã, eu vi que a água batia naquele gelo e não estava adiantando, não estava dando resultados. Tudo ia para o comércio da cidade e também para um projeto do governo, que faz a distribuição. Eu imaginava o frio, mas, não tanto como foi dessa vez", afirmou ao G1 na época. Plantação em Dourados onde produtor amargou prejuízos após geada Redes Sociais/Reprodução Para a geada negra, o especialista da CNA considera como opção um isolamento térmico para planta, cobrindo-a com alguma coisa, como isopor. Mas é fundamental lembrar de tirar o material para que o cultivo possa voltar a respirar e receber luz em quantidade adequada. Em 2011, o Globo Rural explicou a técnica de enterrar mudas de café. Reveja abaixo: Produtores de café do Paraná correm para proteger as mudas de café das geadas Confira imagens dos efeitos das geadas nas últimas semanas no campo: Fazenda de algodão em Jaciara (MT) foi atingida por geada após município registrar 3°C no início de julho Arquivo Pessoal/Luis Antonio Huber Vaca com orelha congelada por conta de frio em propriedade rural em Patrocínio (MG) Clener Roberto Alves/ Arquivo Pessoal Plantação de mandioca em Santo Antônio da Alegria (SP) EPTV Espiga de milho 'congelada' em lavoura de Dourados (MS), em junho deste ano. Caio Nogueira/TV Morena Cana-de-açúcar queimada pela geada na região de Ribeirão Preto (SP) EPTV Em Itápolis (SP), a geada também atingiu uma plantação de hortaliças Arquivo pessoal Geada afetou lavoura de café em Manduri (SP) Antônio Carlos Dálio/Arquivo pessoal Plantação de morangos em Jarinu (SP) Cláudio Donizete dos Santos/Arquivo pessoal Vídeos: tudo sobre agronegócios

  8. Portal de notícias comemora 1ª década no ar com listas de reportagens que marcaram sua trajetória. Embarque nessa viagem pelo tempo e sinta-se inspirado. VÍDEO: relembre histórias inspiradoras e de superação nos 10 anos do G1 Goiás As histórias têm o poder de inspirar. Algumas pessoas transpõem barreiras e outras continuam lutando mesmo depois de muitas quedas. Em Goiás, o G1, que completa 10 anos na quinta-feira (29), teve o privilégio de registrar algumas dessas superações: uma faxineira que conseguiu se tornar juíza, uma delegada que conseguiu mudar de sexo e continua na Polícia Civil e uma garota com paralisia que se tornou bailarina. O G1 Goiás publica nesta semana uma série de reportagens para lembrar um pouco da trajetória do site ao longo dos seus 10 anos. Veja dez casos de superação: De faxineira a juíza Adriana Maria Queiroz: ex-faxineira que se tornou juíza Reprodução/Arquivo pessoal Aos 38 anos, Adriana Maria Queiroz publicou o livro "Dez passos para alcançar seus sonhos - A história real da ex-faxineira que se tornou juíza de direito". Ela teve uma infância pobre e passou por desafios que colocaram à prova seus sonhos, mas também contou com pessoas que a ajudaram até a aprovação no concurso público para juíza, em 2017, para atuar em Quirinópolis. Com o livro, ela incentiva outras pessoas a seguirem firmes nos seus objetivos. Sonho de ser mãe Técnica em enfermagem Carla Divina Faria de Oliveira consegue ter filha após perder sete bebês Reprodução/Arquivo pessoal O desejo de ser mãe se tornou um “desafio” para a técnica em enfermagem Carla Divina Faria de Oliveira, de 24 anos. No entanto, ela não desistiu e, em 2018, realizou o sonho, nos inspirando também a persistir nos nossos objetivos. Ela e o marido chegaram a perder sete filhos de gestações múltiplas naturais - primeiro de gêmeos e depois de quíntuplos - até que finalmente geraram Lavínia, que nasceu em Goiânia pesando 3 kg e medindo 47 centímetros. Perdão Lucélia Rodrigues da Silva, de 25 anos Reprodução\TV Anhanguera A história de superação da missionária Lucélia Rodrigues da Silva nos ensina o poder do perdão. Em 2008, quando era adolescente, ela foi torturada e chegou a ter a língua cortada pela ex-empresária Sílvia Calebresi. No entanto, Lucélia escolheu seguir com a vida, deixar o passado difícil para trás e formar a própria família. “É possível [superar]. Eu perdoei, escolhi perdoar. Perdoar não é esquecer. É lembrar e não sentir mais dor”, disse a jovem. Roteiro de cinema Brenda e Betty Agi, em Anápolis, Goiás Arquivo pessoal/Betty Agi As gêmeas anapolinas Brenda e Betty Agi marcaram a vida de milhares de pessoas em várias partes do mundo. Após doarem cerca de 40 mil pares de chinelos para famílias carentes, elas inauguraram duas escolas de artesanato, corte e costura em Angola – as quais são responsáveis por viabilizar que muitas moradoras gerem renda e tirem o seu sustento. Por causa da iniciativa de fazer a diferença e o sucesso na trajetória, em 2020 elas foram selecionadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para integrar uma lista das 100 pessoas negras consideras mais influentes do planeta. Com uma história que vale a pena ser compartilhada, a história delas ainda deve virar filme. Autoestima Kemilly Vitória celebra sucesso de tratamento para síndrome que aumenta quantidade de pelos pelo corpo Vanessa Martins/G1 A história da Kemilly Vitória Pereira de Souza, que nasceu com uma síndrome rara que a deixava com corpo coberto por pelos, emociona quem a conhece. A família a trouxe, ainda muito pequena, do Tocantins para Goiânia em busca de tratamento gratuito. Em 2019, depois de anos de terapia com laser, ela consegue se sentir bem com a própria aparência e recuperou a autoestima. Mesmo com apenas 10 anos, ela já enfrentou muito preconceito por onde passou sem permitir que isso tirasse a doçura dela. Educação em 1º lugar Aline de Castro agradece ao pai pelo incentivo para que ela se tornasse médica Vanessa Martins/G1 Formada médica em 2016, Aline de Castro Pereira perdeu a mãe para um câncer de estômago quando ainda tinha 9 anos. O pai dela, Tales Pereira, é gari e a criou sozinho. Mesmo com a profissão de homem simples, ele fez de tudo para dar à filha o melhor futuro possível. Mais do que apoio financeiro, Aline contou que o pai era o colo que ela precisava nos momentos difíceis. “Durante a faculdade tem muitos períodos que são muito difíceis, dá vontade de desistir. Então, eu chorava para ele, e ele falava: ‘Olha é difícil, eu sei que é, mas você já chegou até aqui, o mais difícil já foi’”, recordou. Engraxate advogado Homem paga faculdade de direito e se forma sendo engraxate Adriano Zago/ G1 A história de Joaquim Pereira mostra que é possível ser arquiteto do próprio caminho. Engraxate desde criança, ele lustrava os sapatos de juízes, advogados e promotores quando se mudou de Monte Alegre de Goiás para Goiânia. O trabalho lhe rendia cerca de R$ 2 mil por mês e, determinado, conseguiu bancar os próprios estudos em uma instituição de ensino particular e tirar o diploma de direito em 2013. “O sucesso é fruto da dedicação, do amor. Nada é impossível", disse. Mudança de sexo Delegada Laura Castro Teixeira Wildes Barbosa/O Popular A delegada Laura de Castro, da Polícia Civil de Goiás, nasceu num corpo masculino e viveu muitos anos como homem, mesmo sem se identificar com esse gênero. Era casada e tinha dois filhos quando conseguiu realizar uma cirurgia de mudança de sexo e, em seguida, iniciar um processo para mudar o próprio nome, em 2014. Em sua carreira na corporação, ela atuou como titular nas delegacias de Senador Canedo e Trindade, além de ter sido chefe do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (Genarc) em Porangatu. Laura também atuou domo delegada da mulher em Goiânia e atualmente trabalha na assessoria jurídica da Polícia Civil. Hidrocefalia Márcia Souza Rodovalho nasceu com hidrocefalia, mas não deixou que isso a impedisse de estudar Goás Reprodução/Arquivo pessoal Márcia Souza Rodovalho nasceu com hidrocefalia crônica, uma doença que provoca um acúmulo de líquido no interior da cavidade craniana e, segundo os médicos, a deixou com apenas 10% de chance de sobreviver. Desafiando todas as estatísticas, ela cresceu, se desenvolveu e entrou para faculdade de letras em 2014. “É uma conquista muito grande para quem não ia sequer engolir, que teria que se alimentar por sonda. É algo grandioso. Fiquei muito feliz”, comemorou a mãe dela, a funcionária pública Norys Souza Rodovalho, quando a jovem passou no vestibular. Bailarina Menina com paralisia realiza sonho de se tornar bailarina em Goiás Reprodução/TV Anhanguera Uma paralisia nas pernas poderia ser vista como um empecilho determinante para alguém que sonhava em dançar. Mostrando a todos que o que conta não é o que acontece com a gente, mas como lidamos com essas situações, Kétlin Katrini Fernandes, que nasceu com a limitação física, conseguiu se tornar bailarina. Moradora de Rio Verde, no sudoeste de Goiás, aos 8 anos encontrou o professor Edilson Vaz de Carvalho que a ajudou a se desenvolver ainda em 2012. “[Dançar] Mostra que ela é capaz, desenvolve a coordenação motora dela. Ela interage mais no meio da sociedade”, avaliou o bailarino. Veja outras notícias da região no G1 Goiás. VÍDEOS: histórias inspiradoras em Goiás

  9. Inscrições podem ser feitas até sexta-feira (30). Foram abertas oportunidades para 27 cursos em faculdades da capital. Fies é um programa de financiamento para estudantes em instituições de ensino superior privadas Divulgação O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) oferta 2.016 vagas para o Amapá, em 27 cursos de graduação, neste segundo semestre de 2021. Os interessados em aderir ao programa têm até 23h59 de sexta-feira (30) para se inscrever. Podem ser usadas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desde 2010 (entenda mais abaixo). INSCREVA-SE NO FIES O Fies é um programa de financiamento para estudantes em instituições de ensino superior privadas (veja detalhes mais abaixo). No Amapá, foram abertas oportunidades só na capital, Macapá. Em todo o país foram abertas 69 mil vagas distribuídas em 23.320 cursos e/ou turnos de 1.324 instituições privadas de ensino superior diferentes. O prazo para inscrições abriu na terça-feira (27). O resultado dos pré-selecionados será divulgado na próxima terça-feira, no dia 3 de agosto. Para se inscrever, o interessado deve ter feito o Enem entre os anos de 2010 e 2020 e tirado nota média acima de 450. Bolsistas parciais do Prouni também podem participar. Prazo para se inscrever no Fies se encerra na sexta-feira (30), às 23h59 Fies e ENEM 2021: Amapá tem 19 mil inscritos confirmados para as provas impressa e digital PROUNI 2021.2: foram abertas 507 bolsas integrais ou parciais em 3 municípios SISU 2021.2: inscrições vão abrir no dia 3; leia mais Candidatos que fizeram o exame na condição de treineiro ou que tiraram nota zero na redação não podem se inscrever. O Ministério da Saúde informou que os candidatos que não forem selecionados na chamada única serão automaticamente incluídos na lista de espera. O prazo para convocação dos selecionados desse grupo ocorre entre os dias 4 e 31 de agosto. Como o Fies funciona? O Fies é um programa de financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas. Atualmente, tem duas categorias: a primeira oferece vagas com juro zero para estudantes com renda mensal familiar de um a três salários mínimos; a segunda, chamada P-Fies, tem juros variáveis e é direcionada a alunos com renda mensal familiar de até cinco salários mínimos. Cursos com vagas abertas pelo Fies no Amapá: administração arquitetura e urbanismo biomedicina ciência da computação ciências contábeis design design de interiores direito educação física enfermagem engenharia civil engenharia de computação engenharia florestal farmácia fisioterapia gestão de recursos humanos jogos digitais jornalismo logística nutrição odontologia pedagogia psicologia radiologia redes de computadores serviço social sistemas para internet Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá ASSISTA abaixo o que foi destaque no AP: p

  10. Município prevê R$ 15,1 bilhões em receitas para programas governamentais pelos próximos quatro anos. Moradores e entidades civis podem tirar dúvidas nesta quarta-feira (28) em sessão pela internet. Vista aérea da região central de Ribeirão Preto Reprodução/EPTV A Prefeitura de Ribeirão Preto (SP) realiza nesta quarta-feira (28) uma audiência pública para elaboração do plano plurianual 2022/2025. A sessão, aberta a sugestões e dúvidas de moradores e organizações civis, será realizada das 15h às 17h30 por videoconferência, com acesso pela página da administração municipal no Facebook e pelo site da Prefeitura. A prévia do projeto de lei está disponível para download e consulta pública no site da Prefeitura. Moradores e entidades têm até 30 de julho para enviar sugestões para o texto pelo e-mail ppa2022_25@ribeiraopreto.sp.gov.br. Depois de finalizado, o projeto deve ser encaminhado para votação na Câmara. Plano plurianual O PPA é um instrumento de planejamento municipal obrigatório, com participação popular, além dos poderes Legislativo e Executivo, que visa estabelecer metas e ações a médio prazo para o desenvolvimento da cidade. A prévia do texto elaborado pela Prefeitura prevê um total de R$ 15,1 bilhões em receitas pelos próximos quatro anos, tais como recursos obtidos por arrecadação de impostos, repasses e operações de crédito, a serem aplicados em programas governamentais ligados às administrações direta e indireta. Veja a previsão por ano: Entre as propostas já inseridas na prévia do PPA estão renovação de carros e reformas no prédio da Câmara, amortização de dívidas, além de metas como transparência na gestão das contas públicas e ações voltadas à urbanização, à geração de emprego e à cultura. Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca VÍDEOS: Tudo sobre Ribeirão Preto, Franca e região

  11. Na quinta-feira será a vez das pessoas de 36 anos se imunizarem contra a Covid-19. Trabalhadores da saúde vão receber a segunda dose da AstraZeneca nesta quarta-feira, em BH. (Imagem ilustrativa) Reuters/BBC Os trabalhadores da Saúde de Belo Horizonte que têm entre 18 e 25 anos recebem a segunda dose da vacina contra a Covid-19 nesta quarta-feira (28). Esse grupo foi vacinado no início de maio, com a AstraZeneca. Essas pessoas devem apresentar o cartão com a aplicação da primeira dose, o comprovante de residência, documento de identidade e CPF. Na quinta-feira (29), será a vez de os moradores da capital com 36 anos serem imunizados com a primeira dose. Confira a programação dos próximos dias: quarta-feira (28): segunda dose para trabalhadores da saúde, com idade entre 18 e 25 anos; quinta-feira (29): pessoas de 36 anos, completos até 31 de julho, exclusivamente residentes de Belo Horizonte. Os centros de saúde e postos extras funcionam das 8h às 17h. Já os pontos drive-thru estão abertos das 8h às 16h30. Os endereços dos postos, que são específicos para cada público, estão disponíveis no portal da prefeitura. Os usuários devem ficar atentos e sempre checar os locais antes de se deslocar aos endereços. Os locais são dinâmicos e passam por alterações diariamente por questões de logística para evitar aglomeração do público. Quem atrasou vai para o fim da fila Para ampliar e agilizar a vacinação na capital, a Prefeitura de Belo Horizonte optou por usar doses de vacina contra a Covid-19 que estavam guardadas para pessoas que não compareceram aos postos. Quem já foi liberado para vacinar em BH? "Desde maio, a PBH tem convocado a população pendente para receber a segunda dose, mas, diante da ausência, usará as vacinas para novos públicos", disse a administração municipal. Isso significa que as pessoas que perderam as datas para a aplicação da segunda dose deverão esperar a chegada de novas remessas do Ministério da Saúde e nova convocação da Prefeitura, para completar o esquema vacinal. A mesma regra valerá para o público que ainda for convocado para tomar a segunda dose e não comparecer a um posto de vacinação no prazo máximo de uma semana. Prefeitura de BH define pontos fixos de ‘repescagem’ para 2ª dose da vacina contra Covid-19 Prefeitura de Belo Horizonte cria 27 postos fixos para pessoas com 2ª dose em atraso "A Prefeitura manteve, por dois meses, essas vacinas reservadas para a segunda dose. Como não houve procura, vamos utilizá-las para imunizar outros grupos etários. Existe uma população muito ansiosa para receber a dose e não é justo adiar essa imunização, com vacinas em estoque", disse o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto. Quem perder 2ª dose da vacina contra a Covid em BH deve apresentar justificativa, diz secretário de Saúde Vídeos mais vistos do G1 MG:

  12. Além do serviço delivery, público poderá agendar ida ao bar através de uma plataforma. Este ano, 73 botecos do Rio, Baixada Fluminense e Niterói, que estreia no circuito, participam do concurso. Petisco do Bistrô Aconchego para o Comida di Buteco de 2021 é um trio de escondidinhos Divulgação/Comida di Buteco A partir desta sexta-feira (30), o botequeteiro de carteirinha tem um bom motivo para se alegrar. Depois de mais de um ano de suspensão, volta a acontecer o concurso Comida di Buteco, no Rio de Janeiro. Sendo que, ainda por causa da pandemia, em modelo híbrido: presencial e delivery. (Veja no fim da reportagem a lista dos estabelecimentos e petiscos) Para evitar aglomerações, o público vai poder agendar a ida aos bares através da plataforma Tagme, que permite o agendamento de mesas e o acesso aos cardápios digitalizados. Afinal, somente o público presente poderá participar da votação, já que além do petisco, são analisados também atendimento, temperatura da bebida e limpeza de banheiros, por exemplo. Quem ainda não se sentir seguro para fazer aquela tradicional ronda pelos bares, pode retirar os petiscos nos locais ou encomendá-los para degustar em casa. Nessa 21ª edição, o Comida di Buteco, terá como tema a cozinha de raiz. Ou melhor, os petiscos concorrentes terão de usar em sua composição alguma raiz, seja batata, mandioquinha, beterraba, cenoura, entre outros. Os pratos concorrentes terão preço fixo de R$ 27. Este ano estarão participando 73 estabelecimentos do Rio, Baixada Fluminense e Niterói, que estreia no circuito. A 21ª edição do Comida di Buteco vai até o dia 29 de agosto. No site, o público pode conferir mais detalhes dos petiscos e verificar o horário de funcionamento dos botecos. Crowdfunding Segundo a organização, uma das preocupações desta 21ª edição do concurso é preservar os botecos familiares, pequenos, os que mais sofreram com a pandemia de Covid. Por isso, o concurso criou o crowdfunding “Salve os Butecos”. A vaquinha pretende ajudar a gerar fluxo de caixa para os bares de forma que eles possam se reerguer. Todos - clientes ou não, empresas, fornecedores - podem participar. As doações podem acontecer em dinheiro, em produtos (no caso das empresas e fornecedores) e até na divulgação da casa. A meta é arrecadar R$ 3 milhões entre julho e agosto e dividir igualmente entre os participantes. Botecos estreantes: O bar Areias de Itacoatiara faz sua estreia no Comida di Buteco, assim como os bares de Niterói Divulgação/Comida di Buteco Armazém Granel (Santa Rosa - Niterói) : Boi comendo mato pela raiz - Acarajé de inhame, vatapá de jiló com toque de gengibre e costela bovina ao molho de vinho. Areias de Itacoatiara (Itaipu - Niterói): Canoa Itacoa - Canoa de parmesão recheada com musseline de baroa, camarão e pesto de coentro. Bar do Jorginho (Itaipu - Niterói): Inesquecível Pastel de Bobó de Camarão do Jorginho com Queijo - Porção de 3 pastéis preparados com massa tradicional e recheado com o Bobó de Camarão do Jorginho, receita que tem como base camarões, aipim, azeite de oliva extra virgem e especiarias, que, para finalizar, é combinado ao sabor do queijo. Bar da Laura (Centro - Niterói): Empana uma pra mim - Carne seca empanada com aipim e temperos especiais. Bar do Pernambuco (Centro - Niterói): Bolinho Nordestino - Bolinho de Baião de dois servido com molho de pimenta e aipim frito com manteiga. Berton Botequim e Restaurante (Icaraí - Niterói): Panceta suína - Panceta suína à pururuca com castanha do Pará na cama de couve, acompanhada de purê de baroa. Boteco Bendito Jamon (Vista Alegre): Deu Cupim na Mandioca - 3 bolinhos de aipim recheados com cupim, acompanhados de molho especial de mostarda e mel e geléia de pimenta biquinho. Boteco Sabugosa (Ipanema): Esquenta Ipanema - Purê de inhame picante com alho assado, bacalhau cozido. Brazuca (Portuguesa - Ilha do Governador): Baroando pela ilha, encontrei o camarão - Bobó de batata baroa com camarão, acompanhados de farofa de alho e torradas com tempero brazuca. Os escondidinhos especiais do Cachambeer estão na disputa pelo título do 21º Comida di Buteco Divuolgação/Comida di Buteco Buteco Maria Flor (Andaraí): Gostosinho do Andaraí - Um ossobuco com um consomê (caldo de legumes) de raízes e hortaliças frescas ao vinho branco, acompanhado de torradas e molho de pimenta. Carpaccio (Jardim Meriti - São João de Meriti): Quarteto Carpaccio - É composto por finíssimas fatias de carne bovina com molho à base de alcaparras, siri gratinado, palmito e camarão combinados com queijos provolone e parmesão. Acompanhado de salada especial com alface crespa, bacon, queijo prato e maionese. Cine Botequim (Centro): Eu, Tu e Eles - Copinhos de aipim frito, recheados de moela na cerveja escura, coberto com queijo gratinado e farelo crocante de aipim. Contemporâneo Lapa (Centro): Ajeitadinho - Não me Kahlo - Enformado de purê de batata doce roxa, recheado com pernil desfiado, coberto com queijo azul de minas e couve frita. Costelas (Estácio): Se alguém quer matar-me de amor, que me mate no Estácio - Creme de batata roxa, costelinha suína desfiada em molho rôti e Hoisin e farofa de limão e gengibre Dom Pedro (Benfica): Trio Dom Pedro - Tábua servida com três sabores, almôndegas suína com molho de gengibre agridoce, creme de aipim com carne seca desfiada, chip de batata doce, acompanhados do creme de batata baroa. Empório da Ovelha (Icaraí - Niterói): Ovelha derretida - Mandioca frita, coberta com queijo de ovelha e lascas de cordeiro defumado. Espeto e Cia Bistrô (Jardim Icaraí - Niterói): Bacalhauzin - Bacalhau gratinado com batata inglesa, azeitonas verdes e azeitonas pretas. Gato de Botas (Vila Isabel): Pulo do gato - Bolinhos de massa incrementada de batata doce, recheados de suculento lombo suíno desfiado com o toque da pimenta biquinho. Acompanhados de um molho feito de mostarda, maionese, pimenta biquinho e curry. Liceu Grill (Botafogo): Espetinho de paella - Espetinho de paella de costela em crosta de cebola roxa crocante Maracuyá (Ilha da Gigoia): Maracutaya - Camarões empanados em farinha crocante e parmesão servidos com purê de batata doce levemente apimentado e mel de maracujá. Nasceu do Sol (Grajaú): Raiz do meu viver em 2 versões - 3 bolinhos de aipim c/ queijo coalho de (entradinha) e um caldo à mineira (creme de aipim com carne seca desfiada e lombinho), finalizando com couve mineira e pimenta biquinho. Panceta suína com purê de baroa é a aposta do Berton, no 21º Comida de Buteco, do RJ Divulgação/Comida di Buteco Pastelaria do Lido (Paquetá): Travesseirinhos do Bonifácio - Pequenos pastéis feitos com lombo de lagostim e queijos, acompanhados de molho cremoso de Gengibre e geleia de pimenta Santa Garrafa (Grajaú): Pig Estilizado - Barriga de porco, assada na cerveja stout, servido na casquinha de massa de pastel, com adição de queijo gratinado (muçarela), alho torrado e pimenta biquinho. Tibar (Taquara): Trio Tibar - Pastéis abertos de camarão com catupiry e alho poró. queijo temperado (queijo minas, catupiry e alho poró) e bacalhau com catupiry e alho poró. Vinder (Icaraí - Niterói): Casal Vinder - Creme de abóbora com ragu de costela e azeite de pimenta biquinho com farofa de gengibre, manteiga e cebola torrada. Vint 2 bar (Taquara): Roçando na coxinha até o osso - Coxinha com massa de mandioca e inhame, recheada com ragu de ossobuco e servida com aioli de vinho tinto, e aioli de salsa. Zeca FC (Ipanema): Raízes de Ipanema - Mousse de cenoura com carne de panela e chips de beterraba. Zinho Bier (Benfica): Que Beleza de Costela! - Costela no bafo servida com as cebolas temperadas da casa e purê de batata baroa com bacon. Acompanha molho à campanha de limão siciliano e coentro. Botecos veteranos: Porquinho sobre cama de baroa é o petisco do veterano concorrente do Bohemia Social Clube, na 21ª edição do Comida di Buteco Divulgação/Comida di Buteco Adega Pérola (Copacabana): A caravela de bacalhau d’Espanha e Portugal - Da união de temperos da Espanha e Portugal, nasceu a caravela de bacalhau Art Chopp (Taquara): Bolinhos de ouro - 2 bolinhos de massa de queijo minas com muçarela, recheio de costela bovina defumada e molho de cebola defumada com o caldo da costela bovina. Baixo Araguaia (Freguesia): Dupla do Barulho - 02 Bolinhos de aipim recheados com a tradicional linguiça na brasa, temperados com tomates e especiarias defumadas. 02 Bolinhos de batata doce recheados com mix de queijos. Acompanhados por molho à base de pimenta biquinho. Baixo Gago (Laranjeiras): O trêm bom sô!!! - Bolinho de batata doce recheado com carne seca e requeijão, acompanha um molho de queijo. Bar Caiçara (Ilha da Gigoia): O Plantio é opcional, a Colheita é obrigatória - Farofa crocante de mandioca, cenoura, beterraba e amendoim temperado com cebola, alho e açafrão. Acompanhada de batata calabresa em conserva picante e salada de agrião com picles e pétalas comestíveis. O veterado Santo Remédio, do Grajaú, investe numa galinhada com creme de aipim, no Comida di Buteco Divulgação/Comida di Buteco Bar da Gema (Tijuca): Camarão mágico - Creme de batata inglesa ao molho de camarão, com molho de queijo gratinado com mussarela e parmesão, acompanhado com azeite de coentro e pimenta da casa, e um toque de gengibre. Bar da Portuguesa (Ramos): Batuque na Cozinha - Carne assada com batata inglesa assada e temperos a Dondon. Bar do Gallo (Taquara): Esse petisco é uma sacanagem! - Moela de frango, feijoada amiga, maraliz aperitivo e a tradicional sacanagem no palito. Bar do Momo (Tijuca): Anjo da velha guarda - Sanduíche de pirarucu empanado na farinha panko com mostarda de Tucupi, maionese de ervas e salada de raízes. Acompanha batida de gengibre. Bar dos Amigos (Jardim Botânico): Camarão amigo - Bolinho de massa de mandioca recheados com camarões. Bar Palhinha (Humaitá): Stinco de Maiale - Canela suína ao vinho, acompanhado de purê de batata doce com beterraba e farofa de cuscuz com bacon. Bar Santo Remédio (Grajaú): Ciscando a Raiz - Uma aquarelada galinhada marinada em especiarias reina em um berço de creme de aipim. Biroska do Camarão (Colônia Z10 - Ilha do Governador): Tem siri na coxinha - Massa de batata doce com recheio de carne de siri e catupiry. Bistrô Aconchego (Vila Valqueire): Tô te vendo - 3 em 1: escondidinhos desconstruídos finalizados com mix de sementes : aipim com carne desfiada; batata doce com calabresa e queijo coalho; baroa com frango, acompanha geleia de pimenta. Bobô Bar (Méier): Raízes do Méier - Porção com 03 bolinhos inspirados na técnica da pomme duchese. Massa amanteigada de aipim com açafrão-da-terra (em raiz) sem farinha recheada com provolone defumado e cebola grelhada assada. E ainda uma maionese de ervas feita na casa para acompanhar. Sem fritura, sem glutén. O bar Costelas, do Estácio, que agarrar o título do Comida di Buteco com um purê de batata roxa e costela suína Divulgação/Comida di Buteco Bodega do Sal (Centro): Surpresa de Bambas - Bolinho de Batata Baroa com Camarão Empanado na Farinha Panko e Geleia de Pimenta Dedo de Moça. Boemia Social Clube (Vila da Penha): O porquinho atolado na Baroa - Creme de Baroa com farofa de Calabresa, Pernil desfiado e Chutney de Abacaxi servido em camadas num copo Ilhabela. Acompanha batata doce Chips. Booze Bar (Centro): Cariocarajé - Bolinhos de batata doce e milho servidos com um ragú de linguiça acompanhado de dois molhos: moqueca e pimenta. Boteco Carioquinha (Centro): Brotadela - Bife a milanesa crocante em formato de disco , creme de aipim e mussarela gratinada. Boteco do Lobo (Califórnia - Nova Iguaçu): Vaca na raiz de quatro - Costela bovina à moda lobo, com 4 raízes (aipim, batata baroa, batata doce e gengibre) finalizada no tomate cereja com aroma de tomilho. Acompanha farofa de banana. Boteco do Teixeira (Vinte e Cinco de Agosto - Duque de Caxias): Poxa, que coxa! - Coxa de Batata Rostie, Recheada com Frango Assado no Vinho Branco, Cream Cheese, Muçarela e Bacon. Acompanhado de molho especial. Boteco Vou Demais (Andaraí): Casal Raiz - Isca de alcatra bovina salteado com cebola caramelizada, acompanhado de batatas portuguesas. Botequim Rio Antigo (Olaria):Petisco: Rostin de Eva com costela de Adão - Rostie com batatas colhidas do paraíso, recheada com a costela do Adão (costela bovina), sobre agrião do Jardim do Éden. Buteco do Portuga (Centro - Nova Iguaçu): Roupa Velha - Bolinho de aipim recheado com roupa velha de bacalhau. Servido com molho de pimenta especial e molho pesto de azeitonas. Cachaça Social Club (Centro): Louca da cachaça - Purê de batata doce com linguiça caramelizada na cerveja preta e açúcar mascavo. Cachambeer (Cachambi): Esconde essa língua - Língua refogada na Manteiga de garrafa, alho, bacon, tomate e cebola roxa, coberta com purê de batata doce gratinado no parmesão, pimenta biquinho, mais um pouco de alho poró e cebola roxa pra completar. Caldo de Pinto (Jardim Meriti - São João de Meriti): Contando a nossa história - Três pastéis sendo um de queijo, outro de carne e outro de camarão. Um pão recheado de carne de costela e um caldo de pinto. Petisco concorrente do Bar do Gallo explora uma série de sabores nesta 21ª edição do Comida di Buteco Divulgação/Comida di Buteco Cevina (Vinte e Cinco de Agosto - Duque de Caxias): Trio Teco - Três Mini sandubas: 1° pão artesanal de cebola roxa, blend bovino com bacon, maionese de especiarias e barbecue artesanal com bacon. 2° pão artesanal de batata, pernil desfiado, maionese de limão siciliano, geleia de pimenta agridoce e cebola roxa do Chef. 3° pão artesanal de mandioca, blend de carne de sol, maionese de coentro e cebola roxa na manteiga de garrafa. Desacato Bar & Restaurante (Leblon): Chora não, Bebê - Carne seca ao creme de cebola roxa, branca e bacon, com bolinhas de aipim empanadas no queijo coalho e finalizadas na farinha panko. Acompanha manteiga de garrafa picante. Dida Bar (Praça da Bandeira): Ayê - Lasca de mandioca assada na manteiga com lombo suino desfiado acompanhada com geléia de gengibre e crisp de cebola, petisco com influência Moçambicana. Edinho do Caranguejo (Centro - Duque de Caxias): Deu cupim na banana - Cupim assado lentamente por 5 horas acompanhado de farofa de banana e molho agridoce de beterraba com rapadura. Empório Quintana Boteco (Benfica): O Fugitivo! - Creme de baroa e inhame, com broto de coentro, farofinha de alho, limão galego e 1 camarão grelhado fugindo. Empório Santa Oliva (Anil) : Zé Cupim - Cupim assado na cerveja e rusticamente desfiado ao molho de cerveja, feito a partir do tradicional molho madeira. Foi tirado o vinho e acrescentado uma cerveja sour de uva produzida artesanalmente. Acompanhado com mini batatas salteadas na manteiga com alfavaca e pimenta calabresa e um pão francês. Enchendo Linguiça (Grajaú): Trio Maravilha – Nós gostamos de comer! - Trança de 3 linguiças artesanais de fabricação própria - suína, bovina e frango - servida com molho à campanha, creme de alho e farofa de mandioca. Folia do Boi (Cachambi): Folia no Mar - Casquinhas crocantes de aipim, recheadas com creme de camarão ao leite de coco, azeite de dendê e coentro. Acrescidas de camarões grelhados no azeite extra virgem e finalizados com farofa de dendê, salsa e lascas de parmesão. Hora Extra (Vila Valqueire): Raiz³ - 3 und de bolinhos recheado com costela suína defumada, muçarela, cebola crocante e pimenta biquinho. Envolvida em uma primeira massa de cenoura com gengibre e uma segunda massa de inhame, finalizando com um empanamento muito crocante. Acompanhado de 3 molhos (barbecue com goiabada/molho especial do hora/ sour cream). Imaculada (Vila Valqueire): Frango Raiz - Frango Raiz (drumete de frango cozido com cebola, alho, tomate, salsão, óleo de soja, sal, pimenta de cheiro e cortes “Julienne” de beterraba e cenoura) servido com pão de inhame e creme de raízes. Noo Cachaçaria (Praça da Bandeira): Baronesas - Purê de batata roxa sob creme de queijo com açafrão, lingüiças e camarões. Por cima chips de raiz de lótus. Os Imortais (Copacabana): Cai de boca na raiz - Petisco de beterraba com 4 recheios, queijo, frango com queijo, calabresa e carne assada desfiada ao molho de cerveja preta. Pasta da Nonna (Vila São Luiz - Duque de Caxias): La Terra Nostra - pão regado com molho de tomate da Nonna, recheado com carne assada, requeijão e muçarela. Acompanham farofinha crocante e uma geleia de cebola. Tema do 21º Comida di Buteco é cozinha de raiz e o Folia do Mar preparou uma casquinha de aipim com camarão Divulgação/Comida di Buteco Ruanita (Copacabana): Panelinha Sal & Doce - 4 Panelinhas de pastel aberto, sendo 2 de Batata Baroa com Carne Seca e 2 de Queijo Catupiry e Muzzarela com redução de Beterraba. Taberna 564 (Cosme Velho): E agora o que é que eu faço a batata baroa chegou no pedaço - Stew (mexidão de carne com batata baroa) acompanhado de abobrinha e anéis de cebola empanados e temperados com especiarias. Tasca Carvalho (Copacabana): Tubarão à Gaspar Lemos - Tubarão (cação) aos cubos, cebola, alho, pimentões, gengibre, azeite, vinagre, sal e pimenta. Zeca's Paquetá (Paquetá): Macaxeira e cuscuz: juntos e shallow now - Caldo de aipim, recheado de moela de frango refogada em alho poró e acompanhado de cuscuz de milho. Zezimbar (Copacabana): Monte Pascoal, “Siriguidum”. Uma epopéia Portuguesa, em terras Brasileiras! - Petisco, três em um de carne de siri. 1-Empanado crocante de carne de siri, 2- Mini Moquequinha de Siri, 3- Mini Pirão de siri, acompanhados de purê de raízes (cenoura, batata baroa e aipim), crispe de couve mineira e farofa de raízes com alho poró, aipo, cenoura, alho, cebola e azeite de dendê.

  13. Experiência prévia do candidato, adequação à cultura da empresa e formação acadêmica são os fatores mais relevantes que as empresas consideram na hora de contratar. Ambiente de trabalho Campaign Creators/Unsplash A Robert Half, em parceria com o Centro de Liderança da Fundação Dom Cabral, divulgou uma pesquisa que mostra o que é mais relevante na análise dos recrutadores para a escolha dos candidatos. O estudo "Match Perfeito – o que buscam profissionais e recrutadores”, aponta ainda o que mais chama a atenção dos profissionais ao avaliar uma proposta de emprego. Experiência, formação, habilidades: veja fatores que mais influenciam na escolha de candidatos a emprego Segurança, caixa, estoquista, vendedor: como se destacar em seleções para vagas que exigem menos qualificação Pedir emprego fora da minha área pode prejudicar o currículo? Entenda A experiência prévia do candidato, a adequação à cultura da empresa e a formação acadêmica são os fatores mais relevantes que os tomadores de decisão das empresas consideram na hora de contratar. Veja abaixo: Experiência prévia do candidato (88%) Aderência com a cultura organizacional (62%) Formação acadêmica do candidato (36%) Ser indicado por pessoas relevantes no mercado ou na academia (31%) Expectativa salarial e seu enquadramento com as tabelas da empresa (26%) Candidatos que estejam trabalhando em outras empresas do setor (19%) Ser indicado por pessoas da empresa (17%) Disponibilidade geográfica (11%) Disponibilidade para início do contrato (5%) Outro (5%) Apesar de a experiência, adequação e formação acadêmica serem os principais pontos na avaliação de um candidato, as prioridades podem variar de acordo com o porte da empresa. Quanto maior o tamanho, mais relevância se dá à cultura organizacional. Por outro lado, a indicação do candidato por pessoas do mercado é mais valorizada pelas micro e pequenas empresas. Há também diferenças em relação aos segmentos do mercado. Apesar de a experiência prévia do candidato ser o principal fator para todos os setores, no varejo, esse item é ainda mais valorizado. Já a indústria é o segmento que mais dá importância à cultura organizacional, enquanto o agronegócio é o setor que vê mais relevância na indicação do profissional. O varejo é o que dá mais peso para a formação acadêmica. “O 'fit cultural' é um fator que vem sendo cada vez mais valorizado entre as empresas e, como mostra a pesquisa, ganha mais destaque entre as grandes companhias. No entanto, não deixa de ser relevante para empresas de todos os portes", afirma Mário Custódio, diretor associado da Robert Half. "Contar com profissionais que se adequem à cultura organizacional é importante não só para os resultados, mas também para o clima e motivação dos colaboradores”, conclui. O que buscam os profissionais Remuneração (56%), aderência do cargo à experiência prévia (46%) e desafio proposto (45%) estão entre os itens que mais são avaliados pelos profissionais em geral quando recebem uma proposta de emprego. Ao dividir o grupo entre profissionais que estão empregados e os que estão desempregados, há diferenças entre as prioridades de cada um. Para quem está ativo no mercado de trabalho, a aderência com a proposta de remuneração é a mais valorizada pelos profissionais. Já para quem busca recolocação, aderência ao cargo com a experiência prévia ganha maior destaque. 10 itens que chamam a atenção dos profissionais empregados ao avaliar uma proposta de emprego: Aderência com a proposta de remuneração (68%) Aderência com o desafio proposto (41%) Aderência do cargo com a minha experiência prévia (39%) Aderência à cultura da empresa (37%) Nível de benefícios não monetários (25%) Aderência do cargo com minha formação acadêmica (22%) Distância geográfica (19%) Aderência com o nível hierárquico proposto (18%) Conhecer pessoas que trabalham na empresa (10%) Identificação com potencial gestor direto/indicação por pessoas relevantes no mercado ou na academia (9%) 10 itens que chamam a atenção dos profissionais desempregados ao avaliar uma proposta de emprego: Aderência ao cargo com a minha experiência prévia (52%) Aderência à cultura da empresa (50%) Aderência com o desafio proposto (48%) Aderência com a proposta de remuneração (43%) Aderência do cargo com minha formação acadêmica (24%) Nível de benefícios não monetários (16%) Distância geográfica (16%) Aderência ao nível hierárquico proposto (15%) Identificação com potencial gestor direto (13%) Indicação por pessoas relevantes no mercado ou na academia (9%) Prioridades mudam de acordo com a idade Apesar de a remuneração ser apontada como o fator mais relevante pelos profissionais empregados de todas as idades, ao avaliar uma proposta de trabalho, é possível observar diferenças nos demais critérios. Para os maiores de 46 anos, a aderência com a experiência prévia ganha destaque como segundo item a ser considerado, seguida por desafio proposto e adequação à cultura da empresa. Nas faixas etárias entre 25 e 35 anos e 36 e 45 anos, os destaques são aderência com o desafio proposto, adequação à cultura da empresa e aderência do cargo com a experiência prévia. Entre os profissionais desempregados, o estudo mostra que, com o passar da idade, a experiência prévia, aderência à cultura organizacional e desafio proposto ganham peso na tomada de decisão. Já a formação acadêmica e indicação são aspectos que perdem importância com o tempo. Enquanto profissionais nas faixas de 25 a 35 anos e maiores que 46 anos consideram a experiência prévia como principal destaque ao receber propostas, profissionais na faixa de 36 a 45 anos valorizam mais a proposta de remuneração. Veja outros destaques da pesquisa em relação à idade: Profissionais desempregados, com idade entre 36 e 45 anos, priorizam a remuneração ao receber a proposta; Entre os desempregados, profissionais com mais de 46 anos são os que mais valorizam a adequação à cultura da empresa; enquanto entre os empregados, profissionais com idade entre 25 e 35 anos são os que mais priorizam esse quesito; Profissionais mais sêniores tendem a ser os que mais valorizam propostas que estejam de acordo com sua experiência prévia; Profissionais mais jovens, principalmente os em busca de recolocação, são os que mais priorizam oportunidades alinhadas à sua formação acadêmica; Distância geográfica (localização da empresa) é mais considerada por aqueles entre 36 e 45 anos. O levantamento ouviu 351 profissionais empregados, 349 profissionais desempregados e 714 recrutadores entre 3 e 27 de maio.

  14. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. Homem segura carteira de trabalho enquanto procura emprego na região central de São Paulo Amanda Perobelli/Reuters Foram divulgadas as vagas de emprego disponíveis nesta quarta-feira (28) em Petrolina, Araripina e Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas no G1 Petrolina. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. O atendimento na Agência do Trabalho ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão. Petrolina Contato: (87) 3866 - 6540 Vagas disponíveis Salgueiro Contato: (87) 3871-8467 Vagas disponíveis Araripina Contato: (87) 3873 - 8381 Vagas disponíveis Vídeos: mais assistidos do Sertão de PE

  15. Leila Silva e Bianca Silva, convocadas para as Olimpíadas de Tóquio, foram alunas do Rugby Para Todos, projeto social que ensina a modalidade para crianças e adolescentes com idade entre 6 e 18 anos em uma das maiores favelas de SP. Olímpiadas de Tóquio: atletas de rúgbi feminino de Paraisópolis são referência no esporte Entre as vielas e becos de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, o campo de futebol da Palmeirinha resiste ao adensamento da comunidade. Mas o esporte que as atletas Leila Silva e Bianca Silva aprenderam ali não tem muito a ver com a paixão nacional. Foi o rúgbi, com sua bola oval e seus passes laterais, que as levou para Tóquio, onde estão desde o último dia 8 para representar o Brasil nas Olimpíadas. A seleção estreia nesta quarta-feira (28) às 21h30 (horário de Brasília) contra o Canadá. Segunda maior comunidade da capital paulista, Paraisópolis tem uma população estimada em cerca de 100 mil habitantes e, desde 2004, um projeto social que ensina rúgbi para crianças da região. “Meus vizinhos começaram a jogar e me convidaram. Quando eu fui eu falei, meu Deus, que esporte é esse, que loucura”, lembra Bianca, que começou a praticar aos 10 anos com o Instituto Rugby Para Todos. De lá pra cá, seu talento chamou a atenção dos técnicos do Leoas de Paraisópolis, time de rúgbi do projeto social. Várias convocações para a seleção depois, Bianca virou uma das maiores craques do esporte no país e, em 2018, foi eleita a melhor jogadora do ano pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Para Leila Silva, que treinava com Bianca no campinho de Paraisópolis, o sucesso da colega de time virou fonte de inspiração. Campo da Palmeirinha, em Paraisópolis, na Zona Sul de SP, onde ocorrem os treinos de rúgbi do Instituto Rugby Para Todos Fabio Tito/G1 “Pô, era nosso orgulho. Quando a Bia entrou na seleção a gente toda hora falava: gente, a Bia tá na seleção! E ela é do nosso time! A gente se sentia muito orgulhosa”, conta Leila. Não demorou muito para as duas se encontrarem na mesma convocação. “Aí foi o meu orgulho, né? Leila, você tá no meu time, maravilhosa”, lembra Bianca sobre a primeira vez em que as amigas de Paraisópolis jogaram juntas pela seleção brasileira. A parceria foi selada no último dia 28, com a lista das atletas que representariam o país nas Olimpíadas de Tóquio - e lá estavam Bianca e Leila juntas mais uma vez. No terrão Maurício Draghi, fundador do Instituto Rugby Para Todos, em Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo Fabio Tito/G1 Um dos principais responsáveis pela criação do projeto social de rúgbi em Paraisópolis foi, ele próprio, atleta da seleção brasileira. Maurício Draghi começou a jogar aos 14 anos, em um tradicional colégio particular da Zona Sul de São Paulo. “Tive oportunidade de fazer parte das seleções brasileiras e de viver algumas experiências internacionais. Mas, quando a gente voltava pro Brasil depois de uma viagem dessas, a gente via que o rúgbi não era brasileiro, nossa seleção não era realmente brasileira”, conta. Morador do Morumbi, bairro nobre da capital que fica ao lado de Paraisópolis, Draghi se juntou ao amigo e também jogador de rúgbi Fabricio Kobashi para apresentar o esporte para os moradores do bairro vizinho. Quando foi criado, em 2004, o Instituto Rugby Para Todos organizava os treinos na quadra – ainda de terra batida – da Palmeirinha. “Você imagina, a gente chegava super suja dos treinos. Quando chovia era terrível. A gente voltava toda cheia de barro”, lembra Leila. Hoje, o projeto ainda tem atividades no campo, agora gramado, mas também promove ações em outras quadras e, principalmente, fora das quatro linhas, com psicopedagogas e acompanhamento das atividades escolares. Crianças praticam treino de rúgbi do Instituto Rugby Para Todos, em Paraisópolis, na Zona Sul Fabio Tito/G1 Da inciativa nasceram ainda os times Leões e Leoas de Paraisópolis, que juntos já tiveram mais de 20 atletas convocados pelas seleções masculina e feminina. Bianca e Leila serão as primeiras representantes do projeto nas Olimpíadas. “Para todo atleta é a realização de um sonho, os Jogos Olímpicos vão além do esporte”, diz Draghi. “Para nós, é um orgulho imenso e um prazer muito grande poder contribuir com alguma coisa. Eu tenho certeza que elas vão retribuir, porque o rúgbi é muito isso: a gente entrega de volta aquilo que a gente recebeu”, completa. A jovem Silvia dos Santos, de 13 anos, é uma das alunas do projeto que quer seguir carreira no esporte, inspirada por outras meninas que saíram do campo de Paraisópolis. Sua irmã, Silvana dos Santos, já foi convocada pela seleção brasileira, embora não esteja na lista de atletas selecionadas para Tóquio. Crianças e treinadores do Instituto Rugby Para Todos, em Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo Fabio Tito/G1 “Eu comecei por conta da minha irmã, quando eu tinha 7 anos. Agora já estou há seis anos treinando”, conta. Apesar da pouca idade, sua meta é se profissionalizar e representar o país em competições internacionais. “É meio que uma vitória, né? Sair de Paraisópolis pra ir pra outro lugar, jogar em outro país. As pessoas acham que não vai pra frente, só que minha irmã me mostrou que dá”, diz. Favela de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, e prédios do bairro do Morumbi atrás Fabio Tito/G1 Esporte como profissão Educadora do Rugby Para Todos e também ex-atleta profissional, Márcia Muller acompanhou a evolução de centenas de crianças e pré-adolescentes, e lembra do começo de Leila e Bianca no esporte. Leila, que tinha 10 anos quando começou a participar das aulas, é uma das pupilas mais antigas da casa. “Ela sempre foi uma referência porque ela tinha tino de jogo, ela era mais madura em muitos aspectos, mas faltava um pouco de autoconfiança pra ela desenvolver melhor tanto suas habilidades sociais quanto as habilidades esportivas”, conta Muller. Ao lembrar do começo no esporte, a própria Leila reconhece sua dificuldade de aceitar o esporte. Leila Silva segura bolas de rúgbi em treino da seleção feminina no Núcleo de Alto Rendimento (NAR) na Zona Sul de São Paulo Fabio Tito/G1 “Demorou um pouquinho para começar a gostar. Eu acho que eu tinha medo do contato. Tenho medo ainda, mas agora, adulta, você fala, tem que encarar. Eu tinha medo de me arranhar, de me machucar”, lembra Leila. Para Bianca, a aceitação do rúgbi como carreira também foi um processo que não ocorreu rapidamente. “Eu não sabia que existia uma seleção brasileira de rúgbi, por mais que eu jogasse, eu ia para diversão, não para jogar pra ser minha vida. Foi quando eu tive a oportunidade de receber o convite da seleção, que me dei essa chance de conseguir, de conhecer, de ir, de desfrutar mesmo”, avalia. A atleta Bianca Silva, no centro, em treino da seleção brasileira de rúgbi na Zona Sul de São Paulo Fabio Tito/G1 Ao lado de Leila, em Tóquio, Bianca sente que chegou onde queria – e acompanhada de quem conhece o esforço feito para isso. “Se a gente for ver de onde a gente saiu é uma estatística muito baixa de, ah, vai ter futuro. As pessoas não apostam, elas não acreditam. Então é muito bom poder ter do nosso lado pessoas que batalharam pra estar aqui, passaram pela mesma coisa, pelo mesmo sufoco. A gente representa a mesma coisa, a gente defende a mesma bandeira”, diz Bianca. VÍDEOS: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana

  16. Meteorologistas alertam para onda de frio intensa que atinge a capital a partir desta quarta-feira (28), mas ressaltam que não há previsão de neve para a cidade. Geada forte ocorrida em 1918 na Avenida Paulista pode ter iniciado crença de que nevou na capital. Movimentação de pedestres na Avenida Paulista em São Paulo (SP), no dia 19 de julho, durante frente fria ROMEO CAMPOS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO A frente fria histórica que deve atingir a cidade de São Paulo a partir desta quarta-feira (28) pode trazer temperaturas negativas, especialmente para os bairros mais distantes do centro, mas não deve provocar neve na capital. A frente fria histórica que deve atingir a cidade de São Paulo a partir desta quarta-feira (28) pode trazer temperaturas negativas, especialmente para os bairros mais distantes do Centro, mas não deve provocar neve na capital. Relatos de uma forte geada ocorrida em 25 de junho de 1918 criaram a crença de que teria nevado na Avenida Paulista nesta data. Mas meteorologistas do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG-USP) e do Climatempo afirmam que não há nenhum registro de neve na capital desde 1910, quando começaram as medições na cidade. Segundo a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para esta semana, em todo o estado de São Paulo, existe um pequeno risco de neve fraca apenas na Serra da Mantiqueira nesta sexta-feira (30). O local com mais chance de registrar o fenômeno, cuja probabilidade é estimada em apenas 5%, é a Pedra da Mina, ponto mais alto do estado, localizado próximo à divisa com Minas Gerais. Por que os recordes de frio costumam ser no extremo sul de SP? Frio faz famílias de Marsilac recorrerem a forno a lenha para aquecer casa Frio intenso na região da Avenida Paulista, na zona central de São Paulo, na manhã de 30 de junho de 2021 WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO O relato de que houve neve em junho de 1918, mais de 103 anos atrás, teria sido feito pelo meteorologista José Nunes Belford Mattos, considerado um dos pioneiros da área no país, em sua caderneta de observações. Apesar de difundirem que Mattos registrou neve em seu caderno, quando ele estava na estação meteorológica que ficava na Avenida Paulista, e que teria sido encoberta por uma neblina, a informação nunca foi confirmada. Documentos da mesma data mostram que, durante todo o dia, não houve nuvens no céu, e elas seriam necessárias para a ocorrência de neve. “As anotações meteorológicas feitas neste dia indicam que o que ocorreu na capital em 25 de junho de 1918 foi uma sublimação de nevoeiro, juntamente com geada, e não neve em si. Para termos neve, além do frio intenso, são necessárias nuvens de chuva, e nesse dia o tempo estava firme e o céu limpo”, explica a meteorologista Daniela Freitas, da Climatempo. Naquele 25 de junho teria sido registrada a temperatura de -3ºC, mas não está registrada como a temperatura mais baixa porque as medições oficiais começaram depois (leia mais abaixo). A meteorologista Samantha Martins teve acesso a uma página da caderneta de observação da época. O documento indica que houve geada, mas que não havia nenhuma nuvem no céu naquele dia (veja a página abaixo). Caderneta com dados meteorológicos do dia 25 de junho de 1918 na cidade de São Paulo Reprodução/Meteorópole/EM-IAG-USP O professor de meteorologia Carlos Augusto Morales Rodriguez, do IAG USP, explica que, na capital, nunca houve uma combinação de temperaturas negativas e chuvas, condições que poderiam provocar neve. “Para nevar é necessário que as temperaturas estejam abaixo de 0°C na superfície e tenhamos nuvens estratiformes características de frente fria. Ocorre que em SP nunca foi observado temperatura abaixo de 0°C quando chove, em parte por que estamos nos trópicos, perto do mar, e as massas de ar perdem força à medida que sobem”, afirma Rodriguez. Apesar de não haver registro de neve na região metropolitana da capital, o fenômeno já foi observado em outras partes do estado de São Paulo. Neve na Mantiqueira Moradores de Campos do Jordão já registraram neve na década de 1920 Arquivo Pessoal/Edmundo Rocha Embora seja extremamente incomum, já houve neve em pelo menos duas cidades do estado de São Paulo, Campos do Jordão e Cunha, nos anos de 1920 e 1946. No caso de Campos do Jordão, há registros fotográficos da neve em 1920. Depois desta data, a cidade já teve novos recordes de temperatura mínima, mas nunca mais com registros oficiais de neve. "No ano de 1988, apesar do frio ter sido mais intenso e Campos do Jordão ter registrado a menor temperatura da história, não houve neve, porque não havia condição para chuva congelada", explica a meteorologista Daniela Freitas, da Climatempo. Nesta semana, com a chegada de uma frente fria histórica no estado de São Paulo, existe uma pequena chance de o fenômeno voltar a ocorrer na Serra da Mantiqueira. "Nas cotas acima de 1900 m da Serra da Mantiqueira, apesar de pequena chance, não pode ser descartada possibilidade de chuva congelada e até mesmo incipientes flocos de neve", afirma a previsão do Inmet para esta sexta-feira (30). No entanto, para o meteorologista Franco Nadal, o local com maior probabilidade de neve na Mantiqueira não deve ser Campos do Jordão, mas a região de Pedra da Mina, nos municípios de Lavrinhas e Queluz. "Lá na cidade de Campos do Jordão, na zona urbana, a gente não tem possibilidade de neve nesta frente fria, porque a cidade em si está a cerca de 1600m. Então não seria tanto para Campos do Jordao, seria mais para Pedra da Mina, que é o ponto culminante do estado de SP, e fica na divisa com MG", explica Nadal, do Inmet. Escalada da Pedra da Mina, com vista para o Pico Agulhas Negras, na região de divisa entre São Paulo e Minas Gerais Reprodução/Arquivo Pessoal Mesmo nesta região inóspita, a possibilidade de haver neve ainda é pequena. "Na minha avaliação, teria cerca de 5% de chance de alguma precipitação congelada ou flocos de neve muito incipientes, ou seja, mal-formados e esparsos. Então é uma chance pequena, mas que não pode ser descartada", completa o meteorologista. Previsão para a semana Embora o risco de neve seja mínimo, uma forte geada, prevista para afetar diversas regiões do estado nesta semana, pode prejudicar plantações. A geada pode atingir, inclusive, municípios da região metropolitana da capital, a partir da quinta-feira (29). "Há condições para geadas isolada na região metropolitana de São Paulo ao amanhecer. As temperaturas mínimas previstas na capital paulista ficam em torno dos 5°C, podendo, nas áreas menos urbanizadas, especialmente do Sul da cidade, atingir os 3°C. Já a máxima não deve passar dos 12°C na capital paulista", afirma a previsão do Inmet. Na madrugada de sexta-feira (30), a possibilidade de geada é ainda maior, e vale para todo o estado, exceto o litoral. Pedestres enfrentam frio intenso na região do Viaduto Santa Generosa, na zona sul de São Paulo, na manhã do dia 30 de junho de 2021 BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO A mínima prevista para a capital é de 3°C, valor quer, se confirmado, pode representar a menor temperatura dos últimos 27 anos. Os termômetros devem registrar ainda menos nas áreas mais distantes do centro da cidade, que tradicionalmente têm temperaturas mais baixas, e que podem chegar a índices abaixo de zero. "Durante a madrugada de sexta-feira, a expectativa é de uma das menores temperaturas dos últimos anos na capital São Paulo, com geadas e projeção de mínima de cerca de 3°C no centro expandido. Os termômetros podem ficar em torno de zero a um grau negativo nas áreas de menor urbanização do sul do município", afirma o boletim do Inmet. "Deverá ser a madrugada mais fria do ano e se a temperatura baixar de 3,5°C no Mirante de Santana [que é a menor temperatura registrada em 2016], a capital paulista registará a menor temperatura nos últimos 27 anos, já que em 1994 a menor temperatura foi de 0,8°C (em 10/07/1994)", afirma o alerta emitido pelo Inmet. Recordes de frio em SP Pessoas se protegem do frio na zona sul da cidade de São Paulo, na manhã desta terça-feira (20). O dia começou gelado em São Paulo, cidade que registrou a menor temperatura do ano. Bruno Rocha/Enquadrar/Estadão Conteúdo Os registros oficiais do Inmet em São Paulo são feitos na estação meteorológica do Mirante de Santana, na Zona Norte da capital, que opera desde 1943. Desde esta data, o recorde absoluto de temperatura mínima em São Paulo ocorreu em 2 de agosto 1955, com -2,1°C. Veja as 10 menores temperaturas já registradas no Mirante de Santana, em SP: -2,1°C em 02/08/1955 0,8 °C em 09/08/1948 0,8 °C em 10/07/1994 1,2 °C em 01/06/1979 1,2 °C em 26/06/1994 1,5 °C em 18/07/1975 1,7°C em 11/07/1953 1,9 °C em 12/07/1965 2,0°C em 27/06/1994 2,0°C em 09/07/1994

  17. 'É uma grande celebração da vida', diz irmão, que também é instrumentista no grupo. Maestro Felipe Magalhães e o músico William Barros Rafael Motta/Divulgação O arco que deslizava facilmente pelas cordas do violino há pelo menos três décadas, de repente, se tornou movimento difícil para o instrumentista William Barros. Violinista em duas orquestras de Belo Horizonte, ele teve quadro grave de Covid-19 e precisou ficar internado por 67 dias. Dezesseis deles em leito de UTI. “Voltar a tocar foi um susto. Na primeira semana, me deu um desespero, porque o violino parecia um objeto que nunca tinha tocado. A parte mental estava toda pronta, sabia exatamente o que precisava fazer, mas a execução, o mexer os dedos, encontrei certa dificuldade”, afirmou. Foram necessárias várias sessões de fisioterapia respiratória e motora para retomar a respiração e os movimentos precisos das mãos e dos dedos. Ele também precisou reaprender a andar. O resultado permitiu a reestreia dele com a Orquestra Sesiminas Musicoop, nesta quarta-feira (28). "É um momento especial, porque tem a questão do retorno, de reencontrar os colegas. Quando tive Covid, internei, a gente não estava em plena atividade, se encontrando regularmente. Foi muito tempo sem encontrar. Tenho muitos amigos ali. Foi uma emoção voltar aos ensaios, tocar com eles", disse ele. Músico William Barros volta a tocar com orquestra depois de quadro grave de Covid O diagnóstico da Covid, contou, veio logo que se preparava para a primeira apresentação virtual deste ano, em março. Rapidamente, ele viu o quadro de saúde se agravar e precisou buscar ajuda médica. No mesmo dia em que chegou ao Hospital Governador Israel Pinheiro, do Ipsemg, em BH, precisou ser internado e intubado. O irmão Elias Barros, que também é músico na orquestra, o acompanhou da entrada no pronto-atendimento até a cura. “Foi muito difícil. As notícias boas vieram a conta-gotas. A gente vivia um dia de cada vez. E comemorava toda pequena melhora como uma grande vitória”. William Barros deixou o hospital 20 quilos mais magro, depois de ficar internado com Covid-19 Arquivo pessoal Depois que saiu do hospital, ainda de cadeira de rodas, William precisou não só de fisioterapia e acompanhamento médico, mas também de uma dieta especial. Ele perdeu 20 quilos enquanto estava internado. A recuperação veio mais rápido do que o esperado e, no final de junho, já comunicou à direção da orquestra que queria voltar a tempo para a apresentação deste mês. O concerto, que ganhou o nome de "Os 3 Bês da música", reúne composições dos alemães Bach, Beethoven e Brahms. E, em homenagem a William, terá duas composições orquestradas por ele. “É uma grande celebração da vida”, disse o irmão, Elias Barros. A apresentação desta quarta será transmitida no canal da Orquestra. Concertos com público Orquestra Sesiminas Musicoop retomará concertos presenciais em agosto Rafael Motta/ Divulgação Com a volta do músico, o regente da orquestra, Felipe Magalhães, anunciou outra novidade: em agosto, os concertos voltam a ser realizados com público. “Em agosto vamos fazer concerto onde a gente revisita as obras que apresentamos no ano passado, durante a quarentena. Vamos fazer várias das peças que a gente fez em vídeo para o público. Vai ter estreia mundial de uma compositora mineira, em homenagem às vítimas da Covid-19”, disse. No repertório da primeira apresentação com plateia estarão trilhas de filmes, óperas, hinos de futebol e composições de mineiros como Juarez Moreira e Toninho Horta. Vídeos mais assistidos no G1 Minas nos últimos 7 dias:

  18. Cebolinha, acelga, couve, berinjela estão entre os alimentos que foram difundidos pelos imigrantes. População começou a chegar ao país em 1908 para trabalhar nas fazendas de café e depois seguiu em outras áreas de produção. Veja 5 contribuições dos japoneses na agricultura brasileira Os imigrantes japoneses, que chegaram ao país no início do século passado (1908), fizeram grandes contribuições para a agricultura brasileira, revolucionando a forma como que se produzia no país. Entre as colaborações estão: a implementação de um cooperativismo baseado em uma produção coletiva, por meio do qual, os imigrantes ajudaram a expandir a agricultura para todo o Brasil e a lançar novas hortaliças, frutas e legumes, como a uva, a ameixa, a cebolinha, a acelga, a couve, a maçã e a berinjela; novas técnicas de agricultura orgânica e o conceito de agricultura natural, que parte da crença de que é possível produzir alimentos com energia vital e, assim, gerar mais saúde; agricultura intensiva, que permite otimizar um espaço para obter mais produtos. LEIA MAIS Veja como funcionam as cooperativas no campo Calendário da feira: veja frutas e legumes de cada mês Tudo sobre as Olimpíadas de Tóquio Produção coletiva Apesar de os japoneses não terem sido os primeiros a fundarem cooperativas no Brasil, eles foram fundamentais para a expansão e implementação de um novo associativismo já aplicado em seu país natal. A grande inovação dos japoneses foi a ênfase na produção coletiva, para o sociólogo Gustavo Taniguti, autor do livro “Imigração, política e cultura: a trajetória empresarial da Cooperativa Agrícola de Cotia”, Com essas novas associações, a participação dos produtores na tomada de decisão se tornou mais importante. Dentre as cooperativas japonesas, a primeira e mais importante foi a de Cotia, fundada em 1927, no estado de São Paulo. Tudo começa com batata Ex-vice-presidente de cooperativa explica como imigrantes japoneses atuaram na agricultura Quando os japoneses chegaram ao Brasil, eles precisavam ficar por pelo menos 2 anos nas fazendas de café, já que a imigração tinha como objetivo suprir a mão de obra nessas produções. Depois desse período, os trabalhadores poderiam obter uma propriedade e iniciar outros tipos de cultivos. Foi a partir dessa independência que os produtores viram que precisavam se unir. Americo Utumi foi membro da Cooperativa Agrícola de Cotia por 40 anos, iniciando, aos 18, como auxiliar de escritório e chegando ao cargo de vice-presidente. Ele conta que tudo teve início com a batata. “A batata, até então, era importada da Holanda, o Brasil não produzia, apenas alguns pequenos produtores que produziam batatas. Eles colhiam, colocavam na sua carreta de bois e dirigiam até Pinheiros (bairro da cidade de São Paulo). Quando chegavam lá, os donos dos boxes de mercado ofertavam o preço, que não cobriam nem os custos de produção, mas o que eles podiam fazer? Não podiam levar a batata de volta”, recorda. Contudo os imigrantes perceberam que, aos consumidores finais, a batata era vendida a preços muito mais altos. A partir disso, os produtores, que moravam em Cotia, fundaram a associação para conseguirem, juntos, comercializar o tubérculo por um valor mais justo. O negociação do produto na região da capital paulista se tornou tão popular que ela é conhecida até hoje como o Largo da Batata e permanece sendo uma área de comércio. Largo da batata, na capital paulista, permanece como área de comércio até hoje. Divulgação O sociólogo Gustavo Taniguti afirma que as contribuições da cooperativa à agricultura são vastas, desde a introdução de técnicas, novos produtos, desenvolvimento da estrutura de distribuição e de regiões agrícolas no país. Utumi se lembra que a associação foi fundamental para a promoção de assentamentos na Caatinga e no Cerrado. Este último, até a empreitada dos japoneses, era considerado infértil. Taniguti conta que a cooperativa encerrou atividades em 1994, devido a problemas financeiros por dívidas contraídas. Busca por identidade Na década de 40, com a Segunda Guerra Mundial, o Brasil e o Japão se tornaram inimigos e isso refletiu em como esses imigrantes foram tratados no país. Eles sofreram com perseguições do próprio governo e tentativas de expulsão, explica o sociólogo Tanguti. Na Cooperativa Agrícola de Cotia, os japoneses foram retirados de cargos de chefia e substituídos por brasileiros. Apenas anos mais tarde estes postos seriam recuperados, por meio dos filhos destes imigrantes, já nascidos no Brasil. Tanguti conta que foi através da agricultura que a percepção do japonês no Brasil mudou novamente e na década de 60 a aceitação deles pela população melhorou. “A partir dessa narrativa os japoneses passam a entrar no imaginário social, imaginário da nação brasileira, que é uma coisa que antes tinha sido negada para eles por causa da Segunda Guerra. É interessante pensar como a agricultura operou como um domínio.” Cultivo de hortaliças Cooperativa Agrícola de Cotia Arquivo Os japoneses e seus descendentes também impulsionaram o cultivo de hortaliças no Brasil e até mesmo o hábito de comer verduras, conta o agrônomo Chukichi Kurozawa, consultor do Globo Rural. "O brasileiro não tinha muito costume de comer alface, salada. Isso mudou muito com a influência japonesa. Hoje qualquer restaurante tem salada", diz. Na lista de verduras e legumes estão, por exemplo, rabanete, nabo, cebolinha, acelga, couve e pepino japonês, berinjela. Já na das frutas, tem caqui, ameixa, uva, pera, maçã. "Os imigrantes japoneses começaram a cultivar esses alimentos nas suas chácaras, em pequenas propriedades e, hoje, toda a população brasileira já produz" diz Chukichi, que também é professor emérito da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Essa influência é tão grande que, em sua infância, Chukichi, tinha até apelido de hortaliça. "Ia jogar bola e me chamavam de ‘japonês tomatinho’, porque japonês tinha fama de que era produtor de tomate", lembra o agrônomo, nascido em 1940. Chukichi Kurosawa aos 12 anos de idade Arquivo pessoal Outra contribuição dos japoneses e seus descendentes foi a formação do Cinturão Verde de São Paulo ainda na primeira metade do século passado. A região é a principal fornecedora de hortaliças para a cidade de SP e é composta por municípios como Mogi das Cruzes, Santa Isabel, Suzano, Ibiúna, Itapetininga, Piedade do Sul. Ao norte do país, a partir de Tomé-Açu, no Pará, eles introduziram o cultivo da pimenta do reino e desenvolveram um modelo de agricultura que é exemplo de produção sustentável na Amazônia. Veja abaixo uma reportagem do Jornal Nacional sobre o tema: Japoneses desenvolvem produção agrícola sustentável na Amazônia. Exibição em 14 de outubro de 2019. Soja Principal produto de exportação do Brasil hoje, a soja era cultivada mais ao Sul do Brasil no início do século 20 e a sua expansão pelo país se deve muito à contribuição japonesa. "Me lembro que minha mãe fazia tofu porque o meu pai plantava soja. Era a única maneira de consumir porque era muito difícil encontrar soja para comprar", rememora Chukichi. Um dos pioneiros dos estudos desta cultura no Brasil foi o agrônomo Shiro Miyasaka, primeiro japonês a se doutorar em agronomia no país. Ele faleceu em 2017, aos 92 anos. Nascido em Hokkaido, ele foi chefe da seção de leguminosa do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), em SP, e fez cruzamento de diferentes variedades de soja, impulsionando o melhoramento genético da oleaginosa a partir da década de 50. Já nos anos 70, uma parceria entre os governos brasileiro e japonês expandiu a soja para o cerrado, bioma visto por muito tempo sem potencial agrícola e que, atualmente, tem a soja como a sua principal cultura. Descubra como agricultor consegue produzir soja orgânica em grandes quantidades Espiritualidade na agricultura Entenda como é o uso da espiritualidade na agricultura A agricultura natural faz parte das “três colunas da salvação” da filosofia messiânica, desenvolvida por Mokiti Okada no Japão (Saiba mais no vídeo acima). Cada pilar visa a evolução do ser humano e uma dessas formas é por meio da saúde, que, por sua vez, é adquirida com uma boa alimentação, explica a bióloga e pesquisadora da Korin Agricultura Natural, Sakae Kinjo. Sakae relata que na legislação a agricultura natural é enquadrada juntamente com a orgânica, mas elas têm algumas diferenças. Uma delas é que nos princípios passados por Mokiti Okada nenhuma forma de adubação é recomendada, nem com esterco. “Tudo o que se usa no solo com objetivo de adubar tira a força do solo, que foi criado por Deus com a capacidade de produzir o alimento. Tudo que fizermos atrapalha a energia que vem do solo”, explica a bióloga. Na agricultura natural também há o princípio de amor ao solo: "O que é amar o solo na prática? É não deixar secar, sempre ter uma cobertura com matéria orgânica por cima para proteger, não envenenar. Essa preocupação é que dá o resultado”, conta. Dentro desta prática, o sentimento do agricultor também é levado em conta. “Mokiti okada fala que quando um agricultor sente a necessidade de produzir alimento para levar saúde para as pessoas, então esse solo também responde de uma outra forma, as plantas se desenvolvem com mais saúde, os alimentos mais saborosos”, narra a pesquisadora. Deste modo, após o consumo do alimento, as pessoas obteriam saúde e emanariam positividade, “só a gratidão de estar saboreando um alimento com energia vital, esse sentimento de gratidão chega no produtor e acaba fechando um ciclo”, explica Sakae. Além disso, o meio ambiente também se beneficiaria desse ciclo, já que a técnica evita o uso de agrotóxicos. Na criação de animais, a filosofia determina proporcionar a eles um ambiente mais próximo do natural, evitando aditivos artificiais nos alimentos, antibióticos e só aplicando as vacinas obrigatórias, já que, como os animais estão em ambientes saudáveis, não haveria exposição a doenças. De acordo com Sakae, a agricultura natural chegou ao Brasil na década de 50, com os imigrantes do pós-guerra. Uma das pioneiras foi Teruko Sato, que aos 18 anos veio de navio sozinha para a região Norte do país e viajou também para o Paraná e para Tupã, em São Paulo, disseminando a filosofia. Agricultura orgânica Foram os imigrantes japoneses que trouxeram algumas técnicas de agricultura orgânica, como o uso do bokashi, um adubo feito à base de microorganismos. Veja como cooperativa fundada por mulheres se tornou referência na produção de orgânicos De acordo com o produtor rural Masami Yoshizumi, o uso dos microorganismos para tratamento do solo e de folhas é uma técnica japonesa usada ainda no início da aplicação da agricultura orgânica no Japão e trazida ao Brasil pela Fundação Mokiti Okada e pela igreja messiânica. “Boa parte do uso de microorganismos chegou há 30 anos, quando a agricultura orgânica era pouco conhecida, então (o método) foi trazido até para a agricultura tradicional”, explica. A igreja messiânica foi muito importante para a difusão de técnicas agrícolas japonesas. Ela contava, inclusive, com uma área de pesquisa e difusão da agricultura no Brasil. Assista, a seguir, a história de Yoshizumi, terceira geração da família a cultivar hortaliças no Brasil: Filho de imigrante japonês mantém tradição da agricultura Agricultura intensiva Na agricultura intensiva, como o próprio nome já sugere, há um uso intensivo da terra e dos meios de produção para se obter grandes quantidades de um produto. O agricultor Yoshizumi diz que, no Japão, a técnica surgiu por causa do país possuir uma pequena extensão territorial. “Normalmente a agricultura no Japão é praticada somente na parte das montanhas (...). As terras férteis disponíveis no Japão são muito pequenas e de alta eficiência. E os imigrantes trouxeram esse conceito”, explica. Segundo Yoshizumi, os imigrantes que se mudaram para São Paulo não possuíam propriedades grandes e quanto mais o país foi se desenvolvendo, a importância de aumentar a produtividade e o lucro também cresceu. Deste modo, a agricultura intensiva se tornou uma boa opção. Máquinas agrícolas Um nome importante é Shunji Nishimura, fundador da Jacto, uma das principais empresas nacionais de máquinas agrícolas. Máquinas agrícolas já estão próximas da autonomia completa Ele chegou ao Brasil em 1932, com 21 anos e, sete anos depois, fixou-se na cidade de Pompeia, interior de SP, onde abriu uma oficina de consertos gerais. Nishimura era muito procurado por agricultores para consertar polvilhadeiras de defensivos, que, na época, eram importadas e não tinham assistência na região. De tanto consertá-las, ele criou um novo modelo, melhor e mais fácil de usar. Era a primeira polvilhadeira criada no Brasil e o primeiro produto com a marca Jacto, em 1948. "Antes de tudo, ele era um grande inventor. Ele viveu consertando coisas, tinha habilidade para questões mecânicas", afirma Carlos Eduardo de Freitas Viana, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP. Nishimura fico à frente da Jacto até 1972, quando seu filho Jiro Nishimura assumiu a presidência. Mesmo após sair do comando da empresa, o inventor continuou se dedicando ao desenvolvimento de novas máquinas e criou a primeira colhedora de café, além de orientar as decisões e estratégias da companhia. Nishimura faleceu aos 99 anos, em 23 de abril de 2010. Mais sobre agricultura e plantas: VÍDEO: Horta em casa - veja dicas de quem tentou e deu certo Descubra para que serve e como fazer uma composteira G1 Plantas em casa: veja 6 dicas para que fiquem saudáveis Vídeos: tudo sobre agronegócio

  19. Objetivo do espaço é estar em local neutro onde agressor não vai impedir vítima de frequentar. Com três dias de funcionamento, Núcleo de Atendimento à Mulher (Nuam) já foi procurado. Shopping de Niterói recebe sala para receber denúncias de violência contra mulher A população de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, ganhou mais uma ferramenta para combater a violência contra as mulheres: o Núcleo de Atendimento à Mulher (Nuam). O espaço fica localizado em um lugar neutro, o Plaza Shopping, onde o agressor não irá desconfiar que a vítima pode fazer uma denúncia. “Por ser o shopping, um local acessível e acima de qualquer suspeita. É um local que a mulher se locomove, tem acesso, sem despertar no agressor o sentimento de que ela está indo fazer uma denúncia. Então ela diz ‘vou ao shopping’ e ela pode se direcionar ao Nuam, que a gente vai saber como conduzir e introduzi-la nos nossos programas”, disse a Fernanda Sixel, porta-voz do projeto. A identidade da vítima é mantida em sigilo e o caso é encaminhado para os órgãos competentes, como a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) e unidades de saúde. A coordenadora Fernanda Sixel afirmou que já houve demanda nos primeiros dias de funcionamento. Colaboradora do projeto mostra encarte do Nuam Divulgação/Berg Silva “O Nuam conta com uma equipe com psicóloga para atender essa mulher num primeiro momento. Já tivemos demanda nos três primeiros dias de atendimento, demanda de denúncia. Nós temos um espaço de portas abertas para colher, ouvir e orientar”, afirmou Sixel. “Se for um caso de violência vivenciado por aquela própria mulher, ela será encaminhada para os demais órgãos da rede de atendimento. Na rede de atendimento, temos a Deam [delegacia de atendimento à mulher da Polícia Civil], temos as unidades de saúde, para encaminhar ela”, completou. A gerente de marketing do Plaza Shopping Niterói, Aline Piubel, afirmou que o assunto deve ser tratado como prioridade. “Temos a convicção de que se trata de uma agenda prioritária e urgente. Ao lado deles, iniciamos um importante momento de escuta ativa sobre o tema e agora iniciamos medidas concretas, para que juntos possamos reforçar os meios de apoio às mulheres”, disse Piubel. Inclusão em programas sociais Núcleo de Atendimento à Mulher Divulgação/Berg Silva Após fazer a denúncia, dependendo do caso, a vítima pode ser encaminhada a uma avaliação para inclusão em programas sociais da prefeitura. Dois projetos estão em andamento: o Hotel de Passagem e o Auxílio Social. “Estamos preparando dois programas. O Hotel de Passagem, que é um decreto já assinado pelo prefeito e está sendo regulamentado. É um programa que prevê o abrigamento temporário das mulheres e seus dependentes em hotéis da cidade. Para ter um local seguro e sair do momento de agressão”, disse Fernanda. “O segundo programa é o Auxílio Social, que passou por primeira votação e foi aprovado. Não é um aluguel social porque a gente acredita que essa mulher pode ter uma rede de apoio para se abrigar, mas é um auxílio financeiro no valor de R$ 1 mil por seis meses. Desde que ela tenha o recorte socioeconômico, resida com seu agressor e faça a denúncia na Deam. Ele tem duração de seis meses, renovável por mais seis meses”, completou. RJ tem mais de 90 mulheres agredidas todos os dias O estado do Rio de Janeiro tem em média mais de 90 mulheres agredidas todos os dias, segundo dados do Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP-RJ) obtidos pelo G1 com exclusividade. O índice leva em consideração os números consolidados da violência contra mulher no ano de 2020. Ao todo, foram 33.372 vítimas de lesão corporal entre janeiro e dezembro. Serviço NUAM – Núcleo de Atendimento à Mulher Horário: segunda à sábado das 12h às 18h; Telefone: 96569.1755 Endereço: localizado no L4. Rua XV de Novembro, 8 - Centro – Niterói

  20. Atendimento no órgão é feito de forma remota ou presencial, a partir de agendamento realizado pela internet. Há vagas para operador de telemarketing Reprodução EPTV O Serviço Municipal de Intermediação de Mão de Obra (Simm) disponibiliza 188 vagas de emprego nesta quarta-feira (28), em Salvador. Interessados devem agendar atendimento pela internet e escolher se será on-line ou presencial. [Veja a lista de vagas no final da matéria]. Por causa da pandemia, todo o atendimento do Simm é realizado de maneira híbrida. Primeiro, o candidato agenda o serviço e depois opta entre as modalidades presencial ou virtual. Na primeira abordagem aos candidatos, os atendentes consultam dados pessoais e currículos. Caso estejam adequados aos requisitos, são encaminhados para entrevistas com psicólogo do órgão, via chat, e caso sejam tecnicamente aprovados, recebem carta de recomendação para o processo seletivo das respectivas empresas solicitantes. Quem já estiver cadastrado no site deve atualizar o número do WhatsApp, para que a equipe entre em contato no dia e hora em que forem marcados os agendamentos. Confira lista: Consultor de Teleatendimento Home Office Ensino médio completo, 6 meses de experiência registrada em uma dessas áreas: Call Center, Consultor de Vendas em Emprestimo Consignado ou Atendimento ao Público, imprescindível conhecimento em Home Office, Mídias Sociais, Sites, Chats, Manuseio de E-mail Corporativo e informática. Salário: a combinar + benefícios 8 Vagas Operador de telemarketing ativo Ensino médio completo, 6 meses de experiência, boa dicção e conhecimento em informática, desejável possuir notebook e internet compatível. (disponibilidade para trabalhar presencial ou home office). Salário: 1.100,0 + benefícios 30 Vagas Auxiliar administrativo (estágio) Ensino médio cursando ( 1º ou 2º ano ), sem experiência, imprescindível estar estudando a noite. Salário: 450,00 Bolsa auxílio + transporte 2 Vagas Vendedor de cosméticos Ensino médio completo, 6 meses de experiência, imprescindível ter trabalhado com vendas de tinturas e químicas. Salário: a combinar + benefícios 3 Vagas Passador de roupas Ensino médio completo, 6 meses de experiência, imprescindível ter trabalhado com a máquina Calandra. Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Operador de máquina de lavar Ensino médio completo, 6 meses de experiência Salário: 1.146,00 + benefícios 1 Vaga Operador de Grua e Mini Grua Ensino médio completo, 6 meses de experiência, cursos imprescindíveis: na área e de Rigger. Salário: 1.910,65 + benefícios 1 Vaga Analista Ambiental Ensino superior completo - Arqueologia, 6 meses de experiência, imprescindível possuir CNH B, disponibilidade para viajar e Inglês intermediário. Salário: 2.000,00 + benefícios 1 Vaga Analista Ambiental Ensino superior completo - Biologia, 6 meses de experiência, imprescindível possuir CNH B, disponibilidade para viajar e Inglês intermediário. Salário: 2.000,00 + benefícios 2 Vagas Analista Ambiental Ensino superior completo - Engenharia Ambiental, 6 meses de experiência, imprescindível possuir CNH B, disponibilidade para viajar e Inglês intermediário. Salário: 2.000,00 + benefícios 2 Vagas Auxiliar de Moleiro em veículo Ensino médio completo, 6 meses de experiência Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Analista de Suporte Júnior Superior completo em Tecnologia da Informação, Análise de Sistema, Ciência da Computação, 6 meses de experiência, Certificação em Itil, Foundations V.3 será um diferencial. Salário: 1.900,00 + benefícios 1 Vaga Técnico em mecânica de veículos Ensino médio completo, 6 meses de experiência. Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Orçamentista Ensino médio completo, 6 meses de experiência, imprescindível vivência em orçamento de veículos. Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Capoteiro Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Funileiro de veículos Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Polidor de veículos Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência. Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Agente de portaria (vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino médio completo, sem experiência. Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Empacotador (vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino fundamental completo, sem experiência, ter disponibilidade de horário. Salário: a combinar + benefícios 15 Vagas Técnico de enfermagem (vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino médio completo, sem experiência, curso técnico na área. Salário: a combinar + benefícios 1 Vaga Auxiliar de limpeza ( vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino médio completo, sem experiência. Salário: 1.215,82 + benefícios 1 Vaga Empacotador (vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino médio completo, sem experiência. Vaga zoneada para moradores das seguintes regiões: Piatã, Amaralina, Boca do Rio e Cabula Salário: a combinar + benefícios 8 Vagas Auxiliar de limpeza (vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência. Salário: a combinar + benefícios 3 Vagas Auxiliar Administrativo (vaga exclusivo para pessoas com deficiência, estágio) Superior incompleto em Administração ou RH (estar cursando a partir do 6º semestre a noite), sem experiência. Salário: bolsa a combinar + benefícios 1 Vaga Operador de Telemarketing (vaga exclusiva para pessoas com deficiência) Ensino médio completo, sem experiência, imprescindível boa dicção e conhecimento de informática. Salário: a combinar + benefícios 100 Vagas Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Assista aos vídeos do G1 Bahia Ouça o Podcast 'Eu te Explico'

  21. Sem público presente, mas com milhões de seguidores no app, atletas 'tiktokers' mostram azaração pela janela, enquete de pegação e detalhes sobre cama, mesa e banho. Veja VÍDEO. TikTóquio: Os melhores atletas olímpicos da rede social As arquibancadas dos Jogos Olímpicos de Tóquio estão vazias, mas os fãs nunca estiveram tão por dentro dos bastidores. Com perfis bombados no TikTok, atletas compartilham treinos, mas também dançam, paqueram e mostram o dia a dia da Vila Olímpica. Veja no vídeo acima. O app que domina a faixa de idade da maioria dos atletas virou o meio perfeito para mostrar o que acontece quando se junta milhares de jovens do mundo em um alojamento: Técnicas avançadas de paquera; Dancinhas de zoeira que unem culturas; Perrengues e mimos, do refeitório à lavanderia; Curiosidades sem fim sobre cama (de papelão, mas firme), mesa (o melhor guioza do mundo) e banho (altos demais não cabem). Existe um universo de novos influenciadores olímpicos pelo mundo com vídeos informativos e bem humorados. Olimpíada da cachorrada Atletas bombam no TikTok com dança, zoeira, bastidores e paquera nos Jogos Olímpicos de Tóquio Reprodução/TikTok A maior surpresa do TikTok olímpico é ver o lado mais "saidinho" de atletas. Eles: postam vídeos babando ou paquerando colegas e adversários; deixam claro que estão "on" e quais as orientações sexuais de cada um do time; se divertem com maneiras criativas de extravasar as paixonites. No primeiro dia na Vila Olímpica, a skatista brasileira Letícia Buffoni fez o vídeo que resume o sentimento de muita gente por ali: “vai ser difícil se concentrar com tanta gente bonita”. Jogadoras de vôlei dos Estados Unidos já gravaram vídeos sobre os possíveis crushes diários em Tóquio. A equipe australiana de hóquei até compartilhou uma tentativa bem raiz de chegar ao contatinho: uma das competidoras gostou de um atleta desconhecido do prédio à frente e pendurou um cartaz na sacada do quarto para chamar a atenção do moço. Ouro e prata no TikTok vão para... A campeã do espírito sedento olímpico é a jogadora de basquete da equipe de Porto Rico Ali Gibson. Ela já surtou com coleguinhas correndo sem camisa pela vila, perguntou para todas as colegas de time quem elas beijariam em uma pegação geral pós-jogos e levou bebida escondida para o quarto. Medalha de ouro da cachorrada. A jogadora de rúgbi dos Estados Unidos Ilona Maher é digna de prata. Em um de seus vídeos, ela deixa claro que se algum atleta sarado quiser se casar, ela também quer. Maher não faz divulgação só do seu belo perfil, mas também ajuda as amigas. Marcada como uma das atletas LGBTQIA+ mais legais das Olimpíadas por seguidores da rede, ela esclareceu que é, na verdade, hétero, mas divulgou as amigas de time que também estão na pista. Tour por Tóquio VÍDEO: Douglas Souza, atleta do vôlei, conquista web mostrando bastidores da Olimpíada Sem a cobertura maravilhosa dos atletas ociosos e ansiosos nas horas vagas, como a gente saberia... Que os atletas enfrentam uma fila enorme na lavanderia da Vila Olímpica? Que as camas são mesmo de papelão, mas muito resistentes a movimentações intensas? Ou que os atletas têm comidinhas típicas japonesas, Coca à vontade e até espaço de entretenimento para jogar tênis de mesa com os coleguinhas? A musa Ilona Maher faz o enorme sacrifício de aumentar suas horas ligada na tela do celular só para levar entretenimento aos seguidores. Divertida, ela chega a postar mais de 15 vídeos por dia com absolutamente tudo de divertido da vida na Vila Olímpica. Ela já mostrou o melhor guioza do mundo, a maneira elaborada como o lixo é descartado, a dificuldade de arrumar o cabelo de uma equipe inteira antes dos jogos, os treinos puxados na academia gigante disponível, a roupa cafona que a delegação norte-americana precisa usar para passear... Altos desafios O argentino Fran Caffaro, do time de basquete, também mostra a rotina da equipe na competição, com um recorte muito peculiar: os perrengues sofridos pelos altos. Eles mal passam pelas portas e têm dificuldade se caber no banheiro. Alguns aproveitam para explicar como funcionam as regras de esportes menos conhecidos, como remo, rúgbi e tiro. Eles podem ser os melhores do mundo em seus esportes, estrelas das redes com milhares de seguidores, mas ainda são gente como a gente. O mergulhador da equipe dos Estados Unidos Tyler Downs teve a única reação possível ao saber que Simone Biles estava pertinho dele em Tóquio: implorar para que ela seja amiga dele. E a melhor dupla criada na Vila Olímpica, as jovens amigas Rayssa Leal e Margielyn Didal, também esbanjaram simpatia com dancinhas bem "tiktoker" para coroar a parceria da pista de skate. Dança da Fadinha: de onde veio a coreografia que embalou a medalha de Rayssa Leal no skate

  22. Cidades reforçam serviços de acolhimento para abrigar moradores que aceitarem abrigo, além de oferecer ajuda aos que recusarem. Veja as medidas e como acionar os serviços. Prefeituras ampliarão atendimento a moradores em situação de rua durante frente fria Reprodução/EPTV As Prefeituras de Barretos (SP), Ribeirão Preto (SP) e Sertãozinho (SP) definiram ações especiais para auxiliar a população em situação de rua durante esta semana. O objetivo é abrigar e proteger esses moradores contra a nova frente fria que deve chegar à região nesta quarta-feira (28). As ações nas duas cidades consistem em ampliar a capacidade de acolhimento nos abrigos municipais, para que recebam o atendimento todos aqueles que precisarem e aceitarem. Barretos A Prefeitura de Barretos ressaltou que o município, além de dar continuidade aos trabalhos diários de abordagem social, irá intensificar orientações e oferta de acolhimento na Casa de Passagem. Moradores em situação de rua que forem ao local receberão "abrigo, higiene, cobertores, refeições e demais necessidades apresentadas", segundo a administração municipal. A Prefeitura calcula que, atualmente, há 22 pessoas em situação de rua que nasceram em Barretos. Na Casa de Passagem, existiam cerca de 30 pessoas abrigadas na terça-feira (27). Casa de Passagem Madre Teresa de Calcutá Endereço: Rua 28, 1.031, Centro Ribeirão Preto A Secretaria de Assistência Social preparou uma força-tarefa para atuar desta quarta-feira até o dia 4 de agosto. Segundo a administração municipal, todos que procurarem abrigo ou forem encaminhados por serviços responsáveis serão acolhidos. Além disso, haverá uma abordagens a esses moradores, com o intuito de conscientizá-los sobre os riscos de exposição ao frio intenso. Um dos abrigos da cidade é o Centro POP, que também oferece 100 vagas de acolhimento masculino "para pernoite em sistema de albergue, ou seja, sem vínculos", diz a Prefeitura. Os outros lugares são o Complexo Cetrem e a Casa de Acolhida. Centro POP - pernoite em sistema de albergue, com alimentação quente e kit de inverno Complexo Cetrem - pernoite com jantar e café da manhã do dia seguinte, podendo ficar até as 8h A princípio, a Assistência Social disponibilizou 270 vagas nesses locais, mas pode ampliar a capacidade com a possibilidade de utilizar espaços alternativos. Vale destacar, ainda, que serão oferecidos cobertores àqueles que optarem por não ir a um desses abrigos. A Prefeitura tem três telefones para a população informar sobre moradores em situação de rua: Fale Assistência Social (FAS) Telefones: 161, 0800 77 30161, 3610 0687 (WhatsApp) Guarda Civil Metropolitana Telefone: 153 Defesa Civil Telefone: 199 Sertãozinho Além do albergue que tradicionalmente já abriga essas pessoas, a Prefeitura vai utilizar as instalações do Centro POP caso a demanda seja muito grande. De acordo com a administração, aqueles que recusarem o encaminhamento poderão optar por receber atendimento no próprio local. O serviço pode ser acionado também pelo telefone 199, da Defesa Civil. Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca VÍDEOS: Tudo sobre Ribeirão Preto, Franca e região

  23. Pelo Filômetro, é possível acompanhar a situação de espera nos postos de vacinação contra Covid-19 que estão em funcionamento na cidade. Profissional da saúde aplica vacina contra Covid-19 em posto Divulgação/Prefeitura de Praia Grande A cidade de São Paulo continua nesta quarta-feira (28) a vacinar contra a Covid-19 quem tem 29 anos, grupo composto por cerca de 143 mil pessoas e que começou a ser imunizado na terça. Para receber a vacina, é obrigatório apresentar comprovante de residência na capital e um documento de identificação. Nesta terça, os drive-thrus não estão funcionando. A campanha segue funcionando nas 468 Unidades Básicas de Saúde (UBSs), nos megapostos com acesso a pedestres, em AMAs/UBSs Integradas, unidades do Serviço de Atenção Especializada (SAE) e nos Centros de Saúde. (Veja a lista completa dos endereços) Pelo Filômetro, é possível acompanhar a situação de espera nos postos de vacinação contra Covid-19 que estão em funcionamento na cidade. No domingo (25), o prefeito Ricardo Nunes (MDB) suspendeu por falta de doses a data para o grupo etário de 28 anos, que anteriormente havia sido confirmada para começar na quinta-feira (29). "Eu havia anunciado que nós faríamos na quinta e sexta 28 anos. Estou retirando essa confirmação. A gente tinha um diálogo com o estado que, aparentemente, nós prefeitura interpretamos mal com relação às doses. Então o que está confirmado é terça e quarta vacinação pra 29 anos", disse Nunes neste domingo. Ao G1, a Secretaria estadual da Saúde afirmou que o calendário estadual prevê o início da imunização do público de 25 a 29 anos até 5 de agosto. Tem mais de 18 anos? Veja como incluir nome na lista da 'xepa' da vacina na cidade de SP Veja os grupos prioritários que já podem se vacinar na Cidade de SP Pessoas com comorbidades com mais de 18 anos Pessoas sem comorbidades com mais de 29 anos Pessoas com deficiência permanente, beneficiários do BPC, com mais de 18 anos Pessoas com deficiência permanente (não beneficiários do BPC) acima de 18 anos Gestantes e Puérperas (até 45 dias após o parto), acima de 18 anos, sem comorbidades Gestantes e Puérperas (até 45 dias após o parto) com comorbidades (acima de 18 anos) Aeroportuários do Aeroporto de Congonhas - funcionários do aeroporto e dos serviços auxiliares ao transporte aéreo Aeronautas - funcionários das companhias aéreas nacionais Profissionais de Saúde com mais de 18 anos Estudantes em Saúde cursando o último ano de formação Estudantes de área técnica em saúde, cursando o último ano e em estágio Trabalhadores de transporte coletivo (motoristas e cobradores) Metroviários e ferroviários (área de segurança, manutenção, limpeza e agentes de estação na linha de frente com 47 anos ou mais, além de operadores de trem de todas as idades) Pessoas com Síndrome de Down com mais de 18 anos Pacientes em Terapia Renal Substitutiva com mais de 18 anos Pessoas transplantadas imunossuprimidas com mais de 18 anos Profissionais da Educação com mais de 18 anos Pessoas em situação de Rua Cadastradas nos Centros de Acolhida Trabalhadores de cemitérios públicos e privados do município de São Paulo Trabalhadores no atendimento direto a vulneráveis da SMADS Trabalhadores no atendimento direto a vulneráveis da SMDHC Pessoas em situação de rua com mais de 18 anos População indígena vivendo em terras indígenas com mais de 18 anos Pessoas com 18 anos ou mais com deficiência, residentes em Residências Inclusivas (institucionalizadas) VÍDEOS: Veja mais sobre SP e região metropolitana

  24. Mateo Martínez Armoa, de 21 anos, e Anabel Centurion Mancuelo, de 22, foram executados enquanto comemoravam o aniversário da jovem, em um bar, em cidade na fronteira do Brasil com o Paraguai. Horas antes de serem executados, Mateo Martínez Armoa, de 21 anos, e Anabel Centurion Mancuelo, de 22, trocaram declarações de amor um para outro nas redes sociais (veja fotos abaixo). O casal paraguaio estava comemorando o aniversário da jovem, em um bar, na cidade de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, vizinha à Ponta Porã (MS), nesta segunda-feira (26). Anabel postou uma foto com o namorado e escreveu a legenda em espanhol: "Meu amor ❤️" (traduzido para português). Anabel postou uma foto com o namorado horas antes de ser executada. Redes sociais Já Mateo, que nas redes sociais se apresentava como "Matheus Elefante", declarou amor à namorada, que estava comemorando aniversário, nesta segunda-feira (26). O jovem parabenizou Anabel e desejou "amor, carinho e muita alegria [...] todos os dias da nossa vida". Mateo, que foi executado com pelo menos 36 tiros, de acordo com a polícia, declarou o amor por Anabel e disse: "Que no final deste dia você sinta seu coração aconchegado e recheado de amor, carinho e muita alegria. [...] Que Deus nos proteja e nos conceda muitos anos de vida. Eu te amo!". Mateo homenageou a namorada nas redes sociais. Redes sociais Entenda o caso De acordo com as informações da polícia, o casal estava comemorando o aniversário de 22 anos de Anabel. Redes sociais e polícia paraguaia Mateo Martínez Armoa, de 21 anos, e Anabel Centurion Mancuelo, de 22, foram executados com mais de 35 tiros, em uma choperia, na cidade de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, vizinha à Ponta Porã (MS), nesta segunda (26). Segundo a polícia paraguaia, os pistoleiros deixaram um bilhete, escrito em espanhol, preso à cabeça do jovem: "Favor não roubar", com assinatura de "Justiceiros da Fronteira". Ainda segundo a polícia, o casal teria ido ao bar para comemorar o aniversário de 22 anos, de Anabel. A força de segurança paraguaia disse que o objetivo dos pistoleiros era matar Mateo que foi atingido com pelo menos 36 tiros e morreu na hora. A polícia segue investigando o caso e a possível participação de Mateo em delitos. O jovem tinha antecedentes criminais, de acordo com a guarnição. O serviço de segurança paraguaio não tem informação de que Anabel teria participação em crimes. LEIA TAMBÉM Vídeo mostra homem sendo executado com tiros de fuzil, na fronteira de MS com o Paraguai Três são mortos a tiros próximo à fronteira do Paraguai com Brasil e suspeitos do crime alertam: 'Não roubem' Homem é executado a tiros de fuzil no lado brasileiro da fronteira com o Paraguai Câmeras de segurança registram execução de brasileiro no Paraguai Outros crimes na fronteira Em maio deste ano, um homem, não identificado, foi executado com tiros de fuzil. Imagens de câmeras de segurança que circularam na internet na época mostram a ação do pistoleiro. O vídeo foi editado e o G1 retirou parte da imagem em que mostra o momento do assassinato e também, para preservar a vítima. Assista ao vídeo abaixo: Homem é executado com tiros de fuzil, na linha de fronteira de MS com Paraguai Também em maio deste ano, três homens foram mortos a tiros e os suspeitos pelos assassinatos ainda colocaram cartazes de alerta sobre os corpos com as palavras "não roubem" (veja foto abaixo). O crime aconteceu na cidade paraguaia de Yby Yaú, no departamento de Concepción, próximo a linha internacional de Pedro Juan Caballero, com Ponta Porã, no sul de Mato Grosso do Sul. Três são mortos a tiros próximo à fronteira do Brasil com Paraguai e 'justiceiros' alertam sobre roubo. Ponta Porã Informa Veja vídeos de Mato Grosso do Sul:
  25. A partir desta quarta-feira (28), a previsão aponta para uma forte queda de temperatura. Madrugada de quinta (29) para sexta (30) pode registrar 9ºC na cidade. A cidade do Rio de Janeiro deve registrar uma forte queda de temperatura a partir desta quarta-feira (28). E com a chance de os termômetros chegarem a menos de 10ºC nos próximos dias, aumenta a importância das campanhas de doação de agasalho para ajudar quem mais precisa. (Saiba como doar). Frio intenso chega ao Brasil na quarta A partir de quarta, a temperatura deve cair por conta da chegada de uma frente fria. Há a previsão de chuva moderada e ventania. Os termômetros não devem ultrapassar os 23ºC. A mínima deve ser de 13ºC. Na quinta (29), a temperatura mínima prevista é de 11ºC, e a máxima de 18ºC. A madrugada para sexta (30) pode registrar 9ºC, próximo das temperaturas mais frias de 2021 até agora. A máxima será de 20ºC ao longo do dia. Campanhas de agasalho Com a mudança de temperatura prevista para os próximos dias, aumenta a importância das campanhas de doação de agasalhos, cobertas e roupas de frio para as pessoas que mais precisam. O G1 fez um levantamento com algumas campanhas organizadas por ongs, empresas e órgãos do poder público com o objetivo de levar mais conforto para todos. Saiba aonde doar. Voz das Comunidades Durante todo o mês de julho, a ong Voz das Comunidades, que atua em várias favelas do Rio de Janeiro, segue recebendo doações de casacos, calças de moletom, meias, cobertas e roupas de frio em geral. A campanha do agasalho da ong tem como objetivo ajudar pessoas em situação de rua. As doações podem ser feitas no Parque Shanghai, na Penha, Zona Norte da cidade do Rio, das 17h às 21h, de quinta a domingo. Cruz Vermelha Até o próximo dia 2 de setembro, a Cruz Vermelha Brasileira também estará recebendo doações. Eles esperam ajudar aproximadamente quatro mil famílias do Rio, além de refugiados, moradores de rua, asilos, centros de recuperação e creches. Todos que puderem ajudar, podem entregar suas doações na sede da instituição, na Praça da Cruz Vermelha, 10/12, no Centro do Rio. Shopping Metropolitano Barra Até o próximo dia 8 de agosto, o Shopping Metropolitano Barra, na Zona Oeste do Rio, irá arrecadar casacos, roupas, calçados e brinquedos para serem entregues à Associação Semente da Vida da Cidade de Deus. Quem quiser contribuir poderá deixar as doações no Espaço Cliente, no Piso L2, próximo à Riachuelo. O shopping fica na Av. Embaixador Abelardo Bueno, 1300, Barra da Tijuca. Arquidiocese de Niterói A Pastoral do Povo de Rua, da Arquidiocese de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, estará, até o próximo dia 31 de agosto, arrecadando agasalhos, cobertores, calças, meias e gorros. As doações poderão ser entregues nos seguintes locais: Vicariato Alcântara – Paróquia Nossa Sra. Auxiliadora, Laranjal Vicariato São Gonçalo – Paróquia Nossa Sra. do Amarante, Centro, São Gonçalo Vicariato Rural – Paróquia São Pedro Apóstolo, Venda das Pedras, Itaboraí Vicariato Oceânico – Capela Nossa Sra. da Conceição, Arsenal Vicariato Niterói – Unilasalle, Santa Rosa Nova Iguaçu No município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, a campanha Ocupa Solidariedade pretende arrecadar agasalhos e alimentos não perecíveis. As doações podem ser feitas no Projeto Social Solano Trindade, na Rua Nove, 128, Vila Operária. O local fica próximo à Fábrica das Tintas Águias, na Estrada do Iguaçu.

+ Sobre nós

Image

Onde estamos: .

Rua Barão do Rio Branco, 347
Centro Itápolis/SP
3262 7482 - 3262 7483
16 99781 3817(Rega)
16 99742 1727(Daiane)
© 2018 RG Assessoria Fisco Contábil. All Rights Reserved. Designed By JKAsites

Busca